Atenção, mães e pais: vejam os cinco principais erros em relação à alimentação infantil

Foto: Pexels
– As crianças muitas vezes são atraídas pelo emocional, e não pela fome – observa Gladia.

Para ajudar os pais nessa tarefa, a especialista lista os cinco maiores erros em relação à alimentação infantil:

Levar as crianças ao supermercado

Muitos dos produtos destinados ao público infantil têm embalagens que seduzem a criança.

– Infelizmente, é quase impossível competir com o marketing. Por isso, além de ser necessário promover uma mudança no comportamento dos pais, já que o adulto é o responsável pelas escolhas alimentares das crianças, é preciso que evitar ao máximo incentivar os pequenos a fazerem escolhas emocionais na hora de comer. Ou seja, não expor a criança a estímulos desse gênero – explica.

Uma atitude simples é evitar levar a criança junto para fazer compras no supermercado.

– Além de economizar tempo e dinheiro, você conseguirá direcionar suas escolhas para os alimentos de verdade – diz.

Deixar o filho muito tempo em frente à TV

Criança precisa brincar, fazer atividades físicas e gastar muita energia. Mantê-las ativas impede que caiam na rotina e fiquem muito tempo ociosas em frente à TV, além de incentivar a prática esportiva desde cedo, o que também contribui para uma saúde melhor.

– A propaganda na TV é a maior ativadora do sistema límbico, que é o responsável pelas nossas emoções. Assim, na hora da compra, o consumidor acredita que adquiriu aquele alimento pela razão, mas na verdade foi uma compra pela emoção. Dizer que comprou pela razão é uma forma de justificar o consumo.

Manter hábitos alimentares inadequados

A criança não tem discernimento para escolher o seu próprio alimento, e é a escolha do adulto que formará o seu paladar e seus hábitos. Portanto, saber escolher o que comer impacta diretamente na saúde de toda a família. Seja exemplo para seu filho.

– A criança se espelha no que o adulto faz, inclusive no gosto alimentar. Se ela observar o adulto optando por verduras, legumes e frutas, também vai querer ingerir esses alimentos. Agora, se presenciar os pais tomando refrigerante, comendo doces, frituras e outros alimentos pouco saudáveis, certamente irá reproduzir esse comportamento. Por isso, é importante dar o exemplo – frisa.

Segundo a especialista, se você quer que seu filho tenha uma alimentação saudável, a mudança deve começar por você.

– É uma mudança de hábito radical? Talvez, mas, se feita de maneira consciente, mudando o seu modo de pensar e de enxergar seu próprio passado, vai se tornar fácil, e os resultados aparecerão em você e na sua família – diz a coach.

Consumir produtos industrializados em excesso

As crianças são suscetíveis a aceitar tudo o que a mãe oferece. Tenha cuidado na hora de apresentar a ele alimentos como sorvete, doces e salgadinhos industrializados.

– Essas guloseimas geram uma liberação excessiva de serotonina, e, com isso, sem perceber, a criança pode tornar-se dependente do açúcar e da gordura – alerta.

Isso sem falar da tentação da praticidade. Um suco de caixinha pronto é mais fácil de consumir do que preparar a bebida com as frutas.

– Quando a criança se acostuma a essa alimentação e toma um refrigerante, ou come qualquer coisa ultraprocessada, essa bomba calórica sobe para o cérebro, que marca quais os alimentos que proporcionam mais prazer e mais calorias, e começa a mandar estímulos para a criança: esqueça o leite, suco de caixinha é mais legal! Esqueça o suco, refrigerante é mais legal! E por aí vai –acrescenta.

Exagerar em frutas e alimentos naturais com açúcar

Tenha em mente que as frutas contêm frutose, que vira açúcar dentro do organismo.

– As frutas com maior índice de frutose são melancia, banana, manga, melão, mamão e pera. Se gostar muito de frutas, dê preferência ao morango, kiwi, abacaxi, abacate – ensina a especialista.

Há ainda o açúcar do leite (a lactose), e das raízes e farináceos, como mandioca, batata, arroz, farinha de milho, de mandioca e féculas. Os vegetais também têm açúcar, e as maiores taxas estão na cenoura, beterraba e tomate.

As leguminosas e oleaginosas com menos açúcar são feijão, lentilha, ervilha, castanha, nozes, avelã e amendoim. Carnes, aves, peixes e ovos não têm açúcar.

Leia também: 

Filtro solar na infância reduz risco de câncer de pele na vida adulta, diz estudo

Dor na idade adulta pode ser consequência de má postura na infância

Atenção aos sinais de desenvolvimento de puberdade precoce