A interferência do uso de telas durante a alimentação das crianças

criança com celular
Foto: Diogo Sallaberry/Agência RBS

Hoje em dia a maior interferência que temos dentro da nossa própria casa é o uso das tecnologias em excesso. Ela chegou com tudo nessa nova geração, porém tem feito estragos muito significativos em relação a saúde das crianças, e isso já não é mais só com crianças maiores, e sim desde muito cedo, pois estão sendo estimuladas de forma errada.

Uma pesquisa realizada pela TIC Kids Online Brasil 2015, conduzida pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), apontou que oito em cada dez crianças e adolescentes entre nove e 17 anos usam a internet com frequência, o que representa 23,7 milhões de jovens em todo o país. Número muito expressivo e realmente assustador.

Em 2018, saiu um documento sobre a “Saúde de crianças e adolescentes na era digital” pela Sociedade Brasileira de Pediatria e de acordo com as recomendações, bebês com até dois anos não devem ter nenhum acesso às telas, principalmente durante as refeições ou antes de dormir, e que crianças entre dois e cinco anos, o limite recomendado é de uma hora diária. Já as de seis anos não devem ter contato com jogos violentos e, até os dez anos, nenhuma criança deve ter televisão ou computador nos próprios quartos para evitar a vulnerabilidade do acesso a conteúdo inapropriados.

Hoje umas das preocupação da Organização Mundial de Saúde é o tempo em frente às telas, por estimular cada vez mais o sedentarismo, ao substituir as atividades que exigem movimento do corpo, e assim a obesidade infantil cresça cada vez mais já que é um dos principais desafios do século XXI.

Pensando nisso, trouxemos algumas perguntas para você entender se o uso de telas está afetando a saúde do seu filho e interferindo no convívio familiar.

  • O uso de tela é controlado?
  • Você consegue controlar os petiscos ingeridos durante o uso de telas?
  • Na hora das refeições a criança só se alimenta se estiver em frente a TV, tablets ou celulares?
  • O tempo de tela interfere nas atividades da família?
  • As telas eletrônicas atrapalham o sono?

Se a maioria das repostas for sim, você precisa limitar o uso para que não piore ainda mais a situação.

Nesse sentido, precisamos entender alguns pontos importantes em relação ao uso de tela e a hora de se alimentar. A criança tem um mecanismo natural chamado de autorregulação, que reconhece os sinais de fome e de saciedade. O uso de telas provoca distração, e com isso, a criança não presta atenção ao que está comendo. Esses sinais envolvem o cérebro e neurotransmissões que são atrapalhados de forma importante quando ligamos a TV, tablets ou celulares junto com a refeição, pois ao invés da criança prestar atenção na mastigação, sabor, textura do alimento, fazer o correto processo de digestão e mandar os sinais para o cérebro, essa atenção estará “competindo” com as informações de cores, desenhos, músicas e infinitos estímulos das telinhas.

Depois de todas essas informações, que tal repensar o uso das telas e diminuir aos poucos até conseguir retirar essas distrações na hora das refeições?

Leia mais:

Amamentação e paternidade: a importância do pai desempenhar o seu papel de cuidador

Conheça alguns alimentos que ajudam a evitar gripes e resfriados

A importância da alimentação na prevenção do câncer