“A tristeza pode ser um veículo para o câncer”, diz atriz Arlete Salles

De volta ao horário nobre de TV Globo, Arlete Salles relembra a luta contra a doença neste Outubro Rosa

Arlete Salles
Foto: João Miguel Júnior/Tv Globo

Arlete Salles está de volta ao horário nobre da televisão brasileira na personagem Naná, na novela Segundo Sol. A atriz conhecida por seus papéis marcantes e bom humor descobriu, em 2014, que estava com câncer de mama. Foi o autoexame que a ajudou a identificar a doença, e o ânimo para lutar contra ela que a manteve firme. Hoje, curada, Arlete lembra o tratamento e comemora o sucesso na carreira.

– Naná é um personagem que trata de afeto e do amor materno na sua completude e beleza. A recepção do público é o que emana dela, carinho.

Confira a entrevista:

Você descobriu o câncer de mama em 2014. Como era o momento de sua vida quando foi diagnosticada com a doença?

Eu estava triste, minha mãe tinha falecido, e a vida me dava também outros motivos de sofrimento. Portanto, eu concordo que a tristeza pode ser, sim, um veículo para o câncer.

De que maneira você descobriu o câncer?

Com o autoexame, porque senti um ponto dolorido no seio.

Como foi o tratamento?

Cirurgia, quimio e radioterapia.

Em algum momento teve medo do tratamento, de não resistir?

Foi extremamente penoso, mas sempre acreditei na cura.

Como foi a relação com as pessoas mais próximas durante o tratamento?

É importante o apoio da família, e isto eu tive. Dos meus funcionários e amigos também.

De que forma a doença afetou sua carreira?

A empresa Rede Globo, a qual eu pertenço, se colocou à minha disposição. Foi o que me manteve de pé! E, é claro, grandes profissionais desta especialidade também.

Hoje, como está sua saúde?

Estou muito bem! E penso com pesar nas mulheres que não dispõem de um bom tratamento.

O que você diria para mulheres que recebem o diagnóstico de câncer de mama?

Para não desanimar. O câncer, em grande maioria, é curável.

Leia mais matérias sobre Outubro Rosa