Alimentação saudável é o segredo para viver bem

Para estimular, separamos algumas dicas valiosas baseadas em diretrizes atuais para você começar a se cuidar mais

Foto: Nadalin Fotografia/ Divulgação

Olá, famílias! Tudo bem? Na coluna de hoje, queremos falar com vocês sobre a importância de manter uma alimentação saudável em todos os ciclos da vida. A nutrição desempenha um papel fundamental na formação de hábitos saudáveis e consequente prevenção de doenças, e isso vale desde o momento em que pretendemos gerar um bebezinho até ficarmos velhinhos.

Você sabia que a forma como nos alimentamos lá no começo da vida trará reflexos na nossa saúde quando adultos? O modo como nos alimentamos ao longo da vida dá resultados (positivos ou negativos) na nossa longevidade e qualidade de vida. Pesquisas comprovam que a alimentação é um dos principais fatores modificáveis (aqueles que podemos mudar) relacionados à prevenção de diversas doenças crônicas como diabetes, hipertensão, câncer e cardíacas. Se não cuidarmos daquilo que colocamos para dentro do nosso corpo, aumentamos significativamente as chances de adoecermos por essas patologias. O mais importante é que uma fase da vida está ligada à outra, o que reforça a importância de mantermos os hábitos alimentares saudáveis ao longo da nossa vida.

Por isso, não importa se você tem 8 meses, 8 ou 80 anos! Sempre é momento de repensar os seus hábitos alimentares cotidianos.

Para estimular, separamos algumas dicas valiosas baseadas em diretrizes atuais para você começar a se cuidar mais:

1. Você não precisa (nem deve) fazer dietas restritivas para ter uma boa saúde e um bom estado nutricional, pois o importante é ter uma alimentação global saudável e que gere bem-estar no dia a dia. Dietas restritivas não são sustentáveis e só trazem sofrimento.

2. Escolhas e planejamento na forma de se alimentar e em relação aos tipos de alimentos que vamos ingerir também são muito importantes para termos novos hábitos alimentares. O que vou comer? Como? Quanto? Onde? Por quê? Quando? É fundamental se perguntar tudo isso para fazer escolhas alimentares mais equilibradas e saudáveis. Ter atenção plena nesse momento é muito importante!

3. Substituições alimentares adequadas também são importantes! Por exemplo: troque os alimentos refinados (como pão branco, arroz branco, macarrão branco) das refeições por alimentos integrais. Substitua a sobremesa cheia de açúcar por uma fruta que você gosta.

4. Dê preferência na sua rotina alimentar para alimentos frescos, in natura (aqueles que não precisamos ler rótulo nenhum) e preparações feitas em casa.

5. Evite ao máximo alimentos industrializados, conhecidos como ultraprocessados. Estes têm altos níveis de açúcar, gordura trans, sódio e aditivos químicos, ingredientes relacionados com maiores riscos de diversas doenças.

6. Compartilhe as refeições com a família e/ou amigos. E se você tem filhos, faça as refeições junto deles. Crianças aprendem por imitação, e se você tiver uma alimentação saudável, eles aprenderão facilmente através dos bons exemplos.

7. Evite distrações na hora das refeições. Deixe para ler o seu jornal antes ou depois do café da manhã, desligue a TV na hora do almoço e afaste os tablets da mesa. Quando realizamos a refeição com distrações, tendemos a comer mais e com pior qualidade.

8. Não se culpe! Se você comeu um doce, um chocolate ou algum alimento que não seja 100% saudável, está tudo bem. O que importa é o padrão global da sua alimentação. Se você tem uma alimentação a base de frutas, vegetais e preparações saudáveis, não será um alimento isolado que fará a diferença. Equilíbrio é a palavra-chave.

9. Por último, alimentação saudável pode ser gostosa, sim! Precisamos eliminar o tabu de que alimentação saudável é ruim ou sem sabor. Se planejarmos as nossas refeições e soubermos temperar e preparar os alimentos, conseguiremos sim, ter muito prazer comendo saudável. O papel do nutricionista é essencial para te ensinar como pode ser gostoso nutrir o teu corpo.

Leia também:

Saiba quando iniciar a introdução alimentar do prematuro