Alô, veganos! Vocês sabiam que a maioria dos vinhos franceses leva ovo?

Para cada barril de carvalho, três claras são adicionadas e ligeiramente misturadas ao vinho

vinhos franceses levam ovo
Fotos: Loco por Vino

É isso mesmo! A maioria dos grandes vinhos franceses leva ovo em seu processo de produção. Em uma certa etapa em que o suco de uva se transforma em vinho, chamada de fining, um dos agentes usados para clarificar os vinhos tintos é a clara de ovo.

Ela é batida e adicionada aos barris, sendo extremamente úteis na remoção de partículas suspensas no vinho, incluindo taninos “verdes”, deixando o vinho mais suave e “redondo” em sua textura.

Para cada barril de carvalho, três claras são adicionadas e ligeiramente misturadas ao vinho, para o processo de fining, que leva em torno de 10 dias para a mistura assentar e clarificar um barril.

Tiramos algumas fotos do processo no Chateau Mouton Rothschild, em Bordeaux.

Após este processo, vem a etapa chamada racking, na qual o líquido é cuidadosamente transferido para outro barril.

Esta técnica é comumente usada em Bordeaux, na França, onde nasceu um doce feito com as gemas de ovos que sobravam das vinícolas, o Canelé.

Este processo é feitos apenas em vinhos caros. Vinhos mais baratos são filtrados de forma diferente e não passam pelo custoso processo de fining com albumina. É comum as empresas usarem ainda gelatina, caseína, chitin (uma fibra de crustáceos) e isinglass (uma gelatina extraída de peixes).

Com o apelo vegano, já é possível encontrarmos bons vinhos que levam o rótulo de Vegan, como os da rede Cooper’s Hawk Vineyards, dos EUA. Visitamos o local e contamos como foi nossa experiência neste post.

Harmonize vinhos com receitas veganas

Vamos a algumas dicas de receitas veganas, fáceis, perfeitas para uma noite com um vinhozinho (sem ovo):

De entrada, que tal um guacamole de espinafre acompanhado de Sauvignon Blanc? Fácil de fazer: queime a casca de um pimentão no fogão até ficar completamente negra. Mergulhe em água com gelo e retire a casca. Em seguida pique bem fininho e reserve.
Pique uma cebola rocha pequena, um copo de espinafre, um tomate, um copo de coentro e junte com o pimentão. Em um bowl, amasse um abacate grande, misture os ingredientes, adicione o suco de um limão e sal a gosto. Sirva com salgadinhos tipo tortilhas.

Quanto ao vinho, indicamos o Sainsbury’s Sauvignon Blanc, da Nova Zelândia, que é Vegano, claro.

Para o prato principal, uma boa pedida é a Vegan Pasta Caprese, servida com um bom Sangiovese. Simplesmente salteie alho com azeite de oliva, junte tomates-cereja picados, um pouco de água e uma pitada de açúcar. Cozinhe por cinco minutos para manter os ingredientes frescos, junte a pasta cozida, folhas de manjericão, azeite de oliva e mussarela de búfala Vegana. Se não encontrar a mussarela, ou não quiser fazer em casa, a dica é substituir por champignon em conserva.

O vinho ideal seria um Sangiovese. Indicamos o Sontino Sangiovese Puglia IGT, que é orgânico e vegano.

Sugestão de último prato: pipoca caramelizada com gergelim e pistachios acompanhada de vinho do Porto. Prepare a pipoca normalmente (microondas ou panela), reserve. Aqueça em uma panela três colheres sopa de azeite de oliva, duas colheres sopa de açúcar, duas colheres de chá de molho shoyu, duas colheres sopa gergelim meia colher de chá de alho em pó e duas colheres de chá de sal.

Leve em fogo médio por três minutos, adicione duas taças de pistachios sem casca, cozinhe por um minuto. Leve a mistura ao forno em uma assadeira forrada com papel manteiga, como se fosse cozinhar granola, a 170°C, por 10 minutos, e pronto! Raspe os pistachios e misture a pipoca.

Atenção para o vinho, existem dois tipos de vinho do Porto: envelhecidos em madeira ou envelhecido em garrafa. Os vinhos estilo Douro DOC, envelhecidos em madeira, não são veganos. Já alguns Tradicionais LBV e Vintage podem ser considerados veganos por serem envelhecidos em garrafa e não passarem pelo processo de fining.

Você encara uma dieta vegana?

Leia também:

Conheça a cidade que abriga o cemitério das vítimas do Titanic

Leia mais colunas de Loco por Vino