Amalfi Coast é uma das mais belas rotas da Itália

Visitamos a costa Amalfitana, passando pela fantástica Pompéia e conhecendo os misteriosos corpos petrificados.

Foto: Loco por Vino

Saímos de Umbria em direção a Pompéia, a cidade que foi destruída pelo vulcão Vesúvio e que já foi tema de muitos filmes e livros.

No caminho, paramos em Napoli para conhecer uma das pizzarias mais tradicionais da Itália, a L’Antica Pizzeria. Na frente, uma fila de mais de 30 pessoas e um entra e sai de caixas de pizza – opa é aqui!

​Entramos e ficamos esperando a pizza na frente do forno a lenha, comandado por dois chefs, que não precisam ir para a academia depois de um dia de trabalho. O cardápio? Napolitano ou Margarita, sem mais. Pedimos uma de cada, saímos da muvuca, sentamos no carro e dá-lhe rebolar os queixos…

A pizza é tudo o que você espera de uma autêntica pizza italiana. Massa fina, excelente molho de tomate e a napolitana sem queijo, isso mesmo, sem queijo! Se você busca uma pizza italiana, provavelmente esta será a melhor. Porém, não vá pensando no estilo brasileiro, em uma portuguesa ou frango com catupiry, que vai se decepcionar. As italianas são focadas em molho de tomate e massa!

De barriga cheia e azia bombando de tanto molho de tomate, fomos rumo a Pompéia. A famosa cidade de Pompeii, como chamam na Itália, foi destruída pelo vulcão Vesúvio no ano de 79 DC e suas ruínas descobertas em 1549. Uma caminhada pelas ruínas é um passeio no tempo. A cada passo, aquela olhadinha para o vulcão, que fica ao lado, e a mente não para, pensando em como viviam e como a cidade foi destruída pela erupção há quase 2000 anos atrás.

Dentre as coisas interessantes de Pompéia estão os intrigantes corpos petrificados. Pessoas que não conseguiram escapar e foram cobertas pelas cinzas do vulcão. Dormimos em Pompéia e no outro dia cedo partimos para Amalfi Coast.

Em Amalfi, a ideia é alugar um mini, estilo Smart ou Fiat 500, e sair pela costa. Uma outra opção é fazer o trajeto de barco, são ângulos diferentes. Começamos o percurso em Sorrento, passando por Positano e Amalfi, visitando as pequenas vilas entre elas. Acredito que de Amalfi Coast fala-se menos e mostra-se mais:

Quanto aos vinhos, Amalfi faz parte da região de Campania, com três vilas principais e que caracterizam a DOC: Furore, Ravello e Tramonti. Provamos vinhos das 3 regiões, de todos os tipos, porém os mais interessantes são os puros Aglianico.

Apesar de ser muito usado em Blends, devido a seus taninos firmes e potencial acidez, um 100% Aglianico nos pareceu interessante por representar bem as características locais de Amalfi.

Devido à dificuldade de produzir e se trabalhar nas encostas, os vinhos de Amalfi acabam sendo caros, na minha opinião mais do que valem. Provamos os vinhos baratos e alguns mais caros e realmente os de 10 euros não são o que esperamos de um Italino.

Compramos um Mastroberardino de 14 Euros que nos surpreendeu, ótimo custo benefício, 100% Aglianico, envelhecido 12 meses em barril francês e 6 meses em garrafa antes de ir ao mercado. Porém se você pensa em investir mais, encontrará ótimos Blends de Cabernet Sauvignon, Merlot e Aglianico, pela bagatela de 150 Euros. Dentre as variedades locais, também destacam-se a tinta Piederosso, e as brancas Falanghina e Bianconella.

O Limão Siciliano faz parte da paisagem local… Nesta região encontra-se o famoso limoncello, um licor em que as cascas do limão ficam em contato com um álcool neutro para extrair cor e sabor, então misturadas a um caramelo para formar uma das bebidas mais famosas da região de Amalfi.

Amalfi Coast realmente merece o título de uma das estradas mais lindas do mundo. Um vinho e uma pasta com este visual realmente é de ficar na memória! Ficamos quatro dias pela costa.

Leia mais:

Loco por Vino: casal viaja o mundo em busca dos melhores vinhos do planeta

Veja as aventuras do casal Loco Por Vino

Vinho sem frescura: sommelier catarinense propõe descomplicar a bebida