Conheça a catarinense que virou expert em casamentos para brasileiros na Europa

Ana Toniolo já trabalhou com grandes nomes na Itália e hoje segue carreira solo como wedding planner

ana toniolo
Foto Tiago Ghizoni/Diário Catarinense

Quando a publicitária Ana Toniolo decidiu se mudar para a Itália, há quase três anos, mirou num mercado que sempre a encantou: o de casamentos! A ideia era aproveitar a cidadania para morar um tempo fora do Brasil. Sem muita experiência, focou seu trabalho de conclusão da faculdade numa grande pesquisa sobre destination wedding e o interesse dos brasileiros em casar no exterior. Acabou conquistando a vaga numa empresa em Florença.

Foi o início da sua trajetória como wedding planner, que é aquele profissional que cuida de tudo para os noivos antes e durante a cerimônia. Nesse período na Europa, Ana trabalhou com um designer famoso em Milão, ajudou na organização de festas milionárias e agora está comemorando a conquista da carreira solo. Para 2019 ela já trabalha no planejamento de alguns eventos na Costa Amalfitana e na Toscana, que estão entre os destinos mais cobiçados. De férias em Florianópolis, Ana bateu um papo comigo e revelou algumas diferenças entre os casamentos europeus e brasileiros e o que está na moda por lá!

Foto David Bastianoni/Divulgação

Tem muito brasileiro querendo casar no exterior?
Muito! Começou como moda, mas é um formato de casamento cada vez mais procurado porque ele reduz a quantidade de convidados de uma forma interessante, limitando à família e melhores amigos. No Brasil é difícil conseguir limitar um evento e os noivos acabam não aproveitando esse momento único.

Onde você está morando atualmente?
Acabei de me mudar para a Suíça, me coloquei numa posição estratégica entre a Itália e a França que são os dois destinos mais procurados pelos brasileiros na Europa. Eu gosto muito de trabalhar com o público brasileiro porque o fato da gente ter a mesma cultura ajuda muito a conseguir traduzir as expectativas dos noivos para o evento.

Foto Ira Lippke

Como você conseguiu se inserir no mercado europeu?
Quando estava me formando já tinha a ideia de morar na Itália e comecei a enviar currículo e tentar uma vaga dentro do mercado de casamentos. Investi no tema para o meu TCC com uma pesquisa que mostrava para o italiano, em números, como o público brasileiro poderia ser interessante para destination wedding. Acho que foi o diferencial para eu conquistar a vaga.

Como foi a experiência de trabalhar com o designer Vincenzo Dascanio?
Quando cheguei na Itália comecei a identificar meus “ídolos” e o Vincenzo Dascanio é uma referência no mercado europeu, faz grandes produções, festas milionárias. Enviei e-mails para ele, mas não tive retorno. Então como boa brasileira resolvi ir até Milão e bater na porta dele. Acho que essa iniciativa foi o que chamou a atenção e me garantiu meu segundo emprego por lá. Foi uma experiência maravilhosa, trabalhei em grandes eventos, fazíamos a reconstrução total dos espaços, o que na Europa não é tão comum, só famosos e pessoas muito ricas fazem esse investimento.

Alguma festa em especial para citar?
Sim, um dos casamentos que vão ficar para sempre no meu portfólio foi o da empresária, blogueira e digital influencer Chiara Ferragni, que teve desde o buquê revestido com tecido Dior até a cerimônia com fogos coloridos. Na decoração foi construída uma grande gruta de luzes com milhares de mini lâmpadas, todo mundo ficou encantado.

Qual o primeiro passo para quem deseja casar no exterior?
O mais importante é a pessoa definir quanto ela gostaria de tirar do bolso, independente se for no Brasil ou na Europa, a partir daí tudo é possível, é só uma questão de adaptar o melhor local para o sonho da pessoa.

Existe diferença entre os casamentos brasileiros e os italianos?
Algumas, como o local por exemplo. No Brasil temos espaços grandes que já são construídos como casas de eventos, na Itália o legal é casar em vilas históricas, castelos medievais, que não foram projetados para isso. É preciso dividir o casamento em atos como a cerimônia no jardim, o jantar na corte do castelo e a festa em outro ambiente. Como o brasileiro não tem essa cultura de ficar mudando de espaço o meu papel é deixar isso tudo mais harmônico. Mesa de doces também é uma coisa muito mais do brasileiro que do italiano e a gente precisa alertar os fornecedores que são fatores essenciais para aqueles noivos.

O que está na moda por lá?
Agora está bem forte, principalmente nos casamentos maiores, o serviço de catering – que é o fornecimento das comidas e bebidas – com entretenimento. O casamento escolhe um tema, pode até parecer brega, mas não é, e as pessoas que servem vêm fantasiadas, interagem com os convidados, é uma experiência especial, os convidados vão se animando até a hora da festa. Outra coisa que está muito na moda também são os “elopement wedding”, ou casamento a dois, sem convidados.

Assista ao vídeo com a entrevista:

Leia também:

Estaleiro catarinense constrói megaiate adaptado para pessoas com necessidades especiais

Grazi Massafera fala sobre trabalho, maternidade e relação com Santa Catarina

Natural do Oeste de SC, Aline Weber é uma das modelos brasileiras mais conhecidas fora do país