Antes só do que mal acompanhada – ou como eu prefiro viajar sozinha do que perder a viagem

Eu não estou dizendo para você dispensar o próximo convite dos seus amigos em favor de sua própria companhia - só estou sugerindo que, na próxima vez em que essa companhia faltar, você aproveite a sua própria

mochileira
Foto: Pexels

Eu gosto de viajar sozinha – o que não quer dizer, é claro, que eu não goste de viajar acompanhada: acho que tudo fica muito mais divertido na companhia de amigos; e quem não gosta de uma viagem a dois? Mas a questão é: não vou deixar de viajar caso não encontre companhia. E não vou aproveitar mais nem menos – vou aproveitar de uma maneira diferente.

Eu aprendi isso, principalmente, viajando para ver shows: moro em Florianópolis, que volta e meia infelizmente fica de fora das grandes turnês internacionais; e, como todo mundo que me conhece sabe, sou fissurada por uma boa apresentação ao vivo. Mas muita gente (meu namorado inclusive, e a maioria dos meus amigos) tem preguiça da mão de obra, ou dó de gastar tanto “só” para ver um show. Então eu nem espero por ninguém: já compro os ingressos, as passagens, reservo hotel – ou o sofá na casa de um amigo -, me programo e vou. Nessas horas, não tenho preguiça. Muito menos desanimo com a falta de companhia.

Bastante gente estranha – mas acho que muito do estranhamento vem mesmo do fato de que as pessoas acham que alguém que está sozinho parece automaticamente uma coisa meio triste. Como se todo mundo que estivesse sem mais ninguém por perto fosse um pobre coitado sem amigos.

Faz tempo que eu aprendi que aquela frase manjada que diz que estar sozinho não é necessariamente o mesmo que estar solitário é pura verdade. Eu gosto mesmo da minha companhia. Já fui para um intercâmbio sozinha, e acabei de voltar de férias, de uma viagem que fiz sozinha a Montevidéu. Acho que um tempo consigo mesmo é saudável: um espaço para botar os pensamentos em ordem, se entender, ou simplesmente dar uma folga para o cérebro e não pensar nem falar nada.

Eu gosto de me acomodar na poltrona do ônibus ou do avião, colocar meus fones de ouvido e não me preocupar com nada além da música e da paisagem conforme viajo para longe. Gosto de matar tempo naquela conexão no aeroporto lendo um bom livro, em vez de reclamando com alguém sobre a demora para o embarque começar. Gosto de andar sozinha por uma cidade mais ou menos desconhecida, usando o Google Maps para me orientar – e descobrindo coisas pelo caminho; um café aconchegante, uma livraria, um brechó. Gosto de chegar sozinha na fila do show e puxar assunto com quem estiver logo à frente ou atrás de mim – viaje sozinho e ganhe um novo amigo de brinde.

Viajar sem namorado, família ou amigos é meio que um nível expert em um jogo que a maioria das pessoas ainda não está acostumada a jogar nem no nível iniciante: estar sozinho, simplesmente. Muita gente fica angustiado só com essa ideia. Passar um dia inteiro sozinho em casa? De jeito nenhum! Okay, e que tal sair sozinho? Dar uma caminhada na praia, no parque; ver um filme no cinema? Ah, não é meio depressivo? Não, não é. É uma ótima maneira de passar o tempo. De perceber as coisas com mais atenção. De se perceber com mais atenção. De aprender mais sobre si mesmo.

Eu não estou dizendo para você dispensar o próximo convite dos seus amigos em favor de sua própria companhia – só estou sugerindo que, na próxima vez em que essa companhia faltar, você aproveite a sua própria. É aquela velha história: como os outros vão gostar de estar com você, se nem você mesmo gosta? E, quando aprender a gostar, você nunca mais vai perder um passeio, um programa ou uma viagem legal por falta de parceria – porque já vai ter a sua própria.

Leia também:

Voo solo: os 3 destinos mais seguros para mulheres que querem viajar sozinhas

Leia mais crônicas da Marina no Mar de Nina