Nutricionista dá dicas de como aproveitar a páscoa sem fugir da dieta

Foto: Pixabay

Um dos modos mais tradicionais de comemorar a Páscoa é a troca de ovos de chocolate entre amigos e familiares. De acordo a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), o número de consumo de ovos de páscoa, após uma pequena queda, voltou a crescer no ano de 2018, alcançando 67,4% dos domicílios, contra os 62,8% registrado no ano anterior (2017). A Associação ainda garante que neste ano o crescimento será maior, levando em consideração a melhora no cenário econômico brasileiro.

Sendo assim, é necessário um alerta para os que estão de dieta: aproveitar a data para comer chocolates, porém, com moderação. Afinal, manter o equilíbrio e procurar uma alimentação saudável nos dias posteriores ao feriado pode ser uma estratégia bastante assertiva para não se indispor com a balança.

Leia também:

Páscoa também para diabéticos, celíacos e intolerantes à lactose

História, tradição e renovação no tradicional Chá de Páscoa, em Blumenau

Quanto a isso a nutricionista Isis Martins, alerta sobre o cuidado com o doce, visto que o seu consumo contínuo pode viciar, pois, segundo ela, “estes alimentos trazem a sensação de bem-estar”. Isis ainda afirma que alguns alimentos possuem a capacidade de diminuir a vontade de doces, bem como as castanhas, leguminosas, sementes, aveia, salmão, azeite de oliva extra virgem e frutas secas.

Sendo assim, o segredo para aproveitar a páscoa sem sofrer as consequências quando o assunto é manter corpo em forma, “é garantir uma alimentação balanceada, equilibrada e, sobretudo, consciente não só na data em si, mas também nos dias que o sucedem”, recomendou Isis. Pensando nisso, a especialista ainda dá algumas dicas para aqueles que querem comer chocolates neste período, mas não gostariam de sair de forma.

  • Tomar um café da manhã mais saudável, com uma porção de proteínas, laticínios, carboidratos integrais e gorduras boas, como pão integral com ovos mexido e mamão com iogurte natural e chia.
  • Nos lanches intermediários o recomendado é o consumo de castanhas, iogurte acompanhado com sementes, frutas com farelo de aveia, leite batido com frutas e farelo de linhaça, salada de tomate com queijo branco, torradas com geleia diet ou café com cookies integrais.
  • No almoço e no jantar a salada de folhas e os legumes não podem faltar, pois são fontes de fibras, vitaminas e minerais, além de fatores bioativos que desempenham função antioxidante em nosso organismo. Assim como as proteínas magras, são elas: patinho, filé mignon, merluza, pescada e peito de frango.
  • A hidratação deve ser feita de maneira adequada, dando sempre preferência a água. O recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) são 2 litros de água por dia. Se a pessoa não tem o hábito de beber água frequentemente, as opções aromatizadas podem ajudar, basta deixa-las prontas de um dia para o outro.

Se mesmo depois de seguir estas dicas a vontade de doce ainda persistir, vale dar preferência ao consumo de frutas como sobremesa. Quando ingeridas após a refeição, elas não possuem o pico de glicemia, logo, aumentarão a saciedade e acabarão matando a vontade de doce.