Arquiteta revela passo a passo do estudo preliminar de um projeto

Foto: pixabay

Um projeto de arquitetura requer mais passos do que simplesmente a composição de uma planta. É preciso seguir uma primícia para chegar ao planejamento ideal, chamada “estudo preliminar”, que engloba três passos fundamentais do projeto, sendo eles: plano, layout e ergonomia.

De acordo com a arquiteta Priscila Tressino, o primeiro passo para realização da proposta é observar a planta do local, podendo ser um terreno ou construção que será reformado.

— O tipo de uso deste local é o que irá determinar as demandas de atividade, de circulação e o volume de usuários — ressalta a profissional.

Após essa análise é importante conhecer o cliente para ter um norte a respeito do desenvolvimento do projeto com o raciocínio focado naquilo que ele busca, gosta e necessita. Para isso acontecer é fundamental uma entrevista preliminar, onde é traçado o partido. Algumas questões devem ser respondidas, como: se é um projeto residencial, comercial ou um escritório. Quantas pessoas utilizam, quem são essas pessoas? Elas apresentam necessidades especiais? Qual o estilo do cliente?

Esclarecidos estes pontos, passa-se para a segunda fase, que é a composição do layout. Segundo Priscila, o layout é a planta com a disposição dos móveis e equipamentos distribuídos em cada ambiente, considerando o conforto e a circulação entre eles.

Leia também: Conheça projetos que conectam arquitetura, design e arte de modo original e sensível

Com isso, aproxima-se a terceira fase, aquela que irá afirmar o aconchego do proprietário e a caracterização em seu local. Esta etapa é a ergonomia, ou seja, a mecânica de interação entre o usuário e o ambientem visando o conforto e a segurança para realizar suas atividades.

Muitas vezes a ergonomia pode envolver situações de exigências, porém existem medidas padrões a serem adotadas, tanto na circulação quanto na distância e dimensão dos móveis, como altura de pia, de balcão e armários aéreos, distância entre TV e sofá.

— Um ótimo exemplo é o banheiro para portadores de necessidades especiais, onde o cadeirante deve ter autonomia para se movimentar sozinho confortavelmente — revela a arquiteta.

Vale ressaltar que estes aspectos fazem parte da primeira etapa de projeto. O intervalo entre a entrevista e a apresentação da planta de layout, costuma ser de uma semana, no escritório PB Arquitetura.

— Neste encontro os clientes veem também algumas fotos que servem como referência do que estamos imaginando. Assim, eles confirmam se estamos seguindo pelo caminho certo. É importante visar o melhor de forma técnica, porém, sempre somado ao lado humano e empático para que se sintam bem no ambiente — finaliza Priscila.

Leia também: Casa-conforto: veja três dicas essenciais na decoração