Beto Barreiros: patê de ouriço negro, carne de panela francesa e limão galego

Beto Barreiros
Beto Barreiros

Patê de ouriço Negro
Esta entrada sofisticada e saborosa é servida no Restaurante da Marina Pier 33, localizado no município de Biguaçu. A novidade é que ela é preparada pelo chef Narbal Correa, que nos fins de semana também está servindo uma concorrida feijoada gourmet. Protegido por uma luva grossa e utilizando a ponta fina de uma faca, é feita uma abertura na tampa do ouriço negro. Nas laterais do interior, como se fossem filamentos, estão as carreiras de ovas que, depois de retiradas e higienizadas, são misturadas com um pouco de creme de leite, temperos verdes, mix de pimentas moídas e levemente aquecidas. São servidas acompanhadas de torradas. É mais uma iguaria do nosso rico mar.

 

Foto: Beto Barreiros/Divulgação

Limão galego, ele voltou
Conhecido como limão laranja, limão galego, limão cravo ou limão caipira (na foto à esquerda), passou um tempo sendo desprezado pelos novos cozinheiros. Agora está dando a volta por cima e tomando o lugar do famoso limão siciliano (à direita na foto). Ele é um híbrido de limão com tangerina. Chegou ao Brasil no século XVII, trazido da Ásia pelos portugueses. É popular por aqui. Utilizado para temperar peixes, para fazer limonada ou em doces, ele está na moda. É mais rico em vitamina C do que os outros limões. Os novos cozinheiros estão fazendo tudo com ele. Sua polpa é bem azeda, mas com sabor agradável quando preparado como limonada. Faça uma limonada, colocando em uma jarra 1 litro de água, o suco de 6 limões, açúcar a gosto e cubos de gelo.

 

Foto: Michel Gaillot/Divulgação

Carne de panela francesa
Mesmo sendo mais baratos, os cortes de carne considerados de segunda são os mais saborosos. A diferença está no preparo. Costela assada é uma delas. Outros cortes, como o peito, necessitam de cozimento lento para ficarem macios e gostosos. Esta receita é francesa e fácil de preparar.

Receita com batatas e champigon
Ingredientes – rende seis porções
1 cebola picada
100 g de bacon
3 colheres (sopa) de manteiga
1 kg de peito de gado cortado em cubos
1/4 de xícara (chá) de farinha de trigo
1 1/3 de xícara (chá) de caldo de carne
1 1/3 de xícara (chá) de vinho tinto
Sal, pimenta e salsa picada a gosto
2 folhas de louro
1 colher (sopa) de tomilho picado
100 g de champignon
6 batatas pequenas

Modo de preparo
Doure a cebola e o bacon na manteiga. Após ficarem dourados, retire o bacon e a cebola e reserve. Ponha a carne na panela e doure na mesma gordura que fritou o bacon. Espalhe a farinha de trigo por cima, mexa e deixe dourar. Adicione o caldo de carne. Junte o bacon e a cebola reservados. Acrescente o vinho. Tempere com mais sal, pimenta, a salsa, o louro e o tomilho. Cozinhe em fogo baixo por duas horas. Adicione o champignon e cozinhe por mais 30 minutos antes de servir.

 

Memórias do box
O maior especialista em cerveja Brahma do mundo
Afável e amante de uma conversa cabeça, o advogado Ari Claudino de Araújo Costa, na época procurador do INSS, diariamente frequentava o nosso balcão, onde sorvia com calma três garrafas de cerveja Brahma. Não suportava falar em outra marca. Dizia que esta era a cerveja dos deuses, enquanto intercalava uns goles com um cigarro. Tinha um termômetro no bolso para conferir se estava na temperatura que gostava, quase congelada. Depois de muitos anos, os amigos resolveram fazer uma brincadeira com ele para saber se ele era realmente um grande especialista. Abriram uma cerveja Antarctica, colocaram o líquido dentro de uma garrafa de Brahma, fecharam bem e esperaram a sua chegada. Assim que chegou, os amigos disseram que faziam questão de pagar a primeira garrafa do dia para ele. Abri a falsa garrafa de cerveja, coloquei no seu copo e em seguida ele bebeu dois goles. Feliz, olhou para eles e disse: esta é a melhor Brahma que bebi na minha vida.

 

Leia também:
Beto Barreiros: “Um tributo à cozinha clássica francesa”

Beto Barreiros: vieiras, aperitivo de berbigão e salada de camarão