Cães podem sentir quando uma pessoa está prestes a ter uma convulsão, dizem cientistas

Odor ligado a crises epilépticas possibilita que animais sejam treinados para avisar seus donos

Já existem casos em que pessoas relatam que os cães as alertam antes de uma convulsão. Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Cientistas descobriram que cães podem detectar um cheiro que indica quando uma pessoa está prestes a ter ataque epiléptico, levantando a possibilidade de que eles possam ser treinados para alertar os donos com segurança quando uma convulsão é iminente. As informações são do site do jornal inglês The Guardian.

Saber quando uma convulsão ocorrerá pode permitir que pessoas com epilepsia tenham maior controle e independência. Assim, podem ter cuidados a fim de evitar lesões ou tomar medicamentos.

De acordo com Amélie Catala, da Universidade de Rennes, na França, primeira autora do estudo, já existem casos em que algumas pessoas relatam que os cães as alertam antes de uma convulsão, mas “não há nenhuma evidência forte na literatura científica”.

Ela também afirma que não está claro se em determinados casos os cães dependiam de pistas visuais, mudanças sutis de comportamento ou cheiro e se as evidências eram as mesmas em todas as pessoas.

Em um estudo publicado na revista Scientific Reports, Amélie e seus colegas testaram se cães especialmente treinados poderiam distinguir amostras de odor respiratório e corporal de pacientes epilépticos durante uma convulsão, de amostras colhidas durante condições normais e após uma sessão de exercícios. Antes dos testes, os cães foram treinados para atingir amostras de convulsão. Então, eles foram testados a partir de amostras retiradas de cinco pacientes com diferentes formas de epilepsia.

Conforme os resultados, a capacidade dos cães para detectar casos positivos variou de 67% a 100%, enquanto a capacidade de identificar corretamente os negativos variou de 95% a 100%. Os resultados sugerem que as convulsões estão associadas a determinados odores específicos, independentemente do tipo de convulsão ou do odor corporal do paciente.

Agora, os cientistas planejam testar se esse odor imprevisto precedeu a convulsão, permitindo que os cães sejam treinados para alertar de forma confiável seus proprietários.

Uma porta-voz da organização Epilepsy Action disse que ainda não é conhecido se os cães detectam pelo cheiro ou por outro sentido.

— Esta pesquisa é interessante e poderia ser o próximo passo para entender como os cães podem apoiar ainda mais as pessoas que vivem com epilepsia descontrolada — afirma.

Leia também: 

Jovem cria “currículos” de cães para adoção e divulga no Instagram

Saiba como vivem os cães catarinenses que ajudam no resgate das vítimas de Brumadinho

Cães e gatos também doam sangue: saiba como é o procedimento entre pets