Camille Reis: Belas e empoderadas com um clique

Foto: Betina Humeres / Diário Catarinense

O ano era 2014 e a jornalista Dani Coelho estava assistindo a uma reportagem sobre fotógrafas que tinham um trabalho especializado no público feminino quando ela mesma teve um click! Percebeu que era aquilo que queria fazer, até porque a bela morena de olhos verdes fazia parte do clube de mulheres que brigam com o espelho e focam muito mais nos defeitos que nas qualidades.

Primeiro ela encarou as lentes. O resultado foi tão transformador que Dani não teve mais dúvidas que esta seria sua profissão. Três anos e vários ensaios depois, a hoje fotógrafa acumula histórias inspiradoras. Aos 32 anos, sente-se realizada pessoal e profissionalmente e falou um pouco da paixão que virou trabalho.

Foto: Dani Coelho / Divulgação

Existe um segredo para extrair o melhor de cada mulher durante o ensaio?
Não sei se tem segredo, é super natural o nervosismo no início, principalmente porque a gente não se conhece direito, a mulher fica envergonhada e também não está acostumada a se enxergar daquela forma, maquiada, produzida, com uma roupa mais sensual. Num primeiro momento elas se acham gorda, essas coisas, mas com o passar do tempo é mágico como se soltam e já começam a se enxergar lindas. Eu também mostro uma foto na hora e elas: “meu Deus, sou eu mesma?”. Não acreditam no resultado.

É muito comum essa reação?
Muito, acontece com a maioria. Teve um ensaio que fiz há pouco tempo que a cliente viu uma foto no meio da sessão e disse assim: “pelo menos eu vou ficar com uma”. Ela tinha comprado um pacote de 40 fotos, mas não estava acreditando porque estava pouco à vontade, achou que não estava rendendo, e no final ela escolheu umas 20 fotos extras, amou o ensaio e agora quer fazer outro. Elas realmente não se enxergam como são.

Foto: Dani Coelho / Divulgação

Você lembra de alguma história que tenha te marcado?
Algumas, uma das minhas clientes que tinha a autoestima bem baixa estava tentando engravidar há uns dois anos e já tinha pensado em desistir. Um mês depois do ensaio elaengravidou e creditou às fotos aquela conquista, porque conseguiu se enxergar, se amar. Tem outra cliente que foi traída pelo marido e estava com a autoestima no pé. Depois do ensaio ela virou outra pessoa, começou a namorar e agora casou. Me disse que nunca foi tão feliz.

Foto: Dani Coelho / Divulgação

Sensualidade não necessariamente significa tirar a roupa, certo?
De forma alguma. Acho que depende muito do olhar de cada fotógrafo e da pessoa que está sendo fotografada. Eu tenho clientes que gostam de fotografar de lingerie, seminuas, e outras que não querem de jeito algum e tudo bem. Acho que a sensualidade está no sorriso, nos gestos, no que a pessoa é de verdade, nem todo mundo tem a sensualidade do corpo, vai muito além disso.

Existe um cenário específico ou tema para os ensaios?
Os meus ensaios são bem personalizados, de acordo com a personalidade de cada mulher. Já fiz ensaios temáticos de pinup, 50 tons de cinza. Recentemente lancei um projeto chamado Sunday Morning. A ideia é retratar as mulheres bem relaxadas, como se estivessem curtindo a cama (e a própria companhia) em um domingo de manhã.

A maioria faz o ensaio pra si mesma ou pro parceiro?
Tem os dois casos, mas acho que mesmo quando elas dizem que é para presentear o namorado ou marido, elas fazem pra elas mesmas. E eles adoram porque elas se enxergando melhor o relacionamento melhora também. Poder transformar um pouquinho a vida delas é muito gratificante. Sou muito feliz com o que faço.

Assista ao vídeo com a entrevista:

Leia mais:

Entrevista: Moyale Guardini, uma catarinense com os pés em Hollywood

Camille Reis: Mãe e filha trabalham juntas como obstetras em maternidades de Florianópolis