Camisa branca: o curinga do guarda-roupa feminino

A peça tradicional é perfeita para qualquer ocasião

Dudalina
Foto: Dudalina/Divulgação

“Claro, ela, a camisa mais básica que alguém já conseguiu inventar. Difícil encontrar algo tão versátil. Você poderá atravessar jornadas inteiras de trabalho, coquetéis, compras no shopping, cinema no sábado à tarde – vestindo a sua linda camisa branca.” O trecho do livro de Constanza Pascolato, O Essencial, apresenta a peça mais básica e clássica de todas: a camisa branca.

Combinada com calça jeans ou colorida, saias, pantcourt, vestidos ou até mesmo com short jeans, a peça curinga no guarda-roupa feminino pode vir em um modelo tradicional ou com detalhes de laços e babados que imprimem feminilidade ao look.

Leia também: 
Sadi Consati é o convidado da primeira edição do Confraria da Moda 2018

Sapato masculino: descubra o modelo ideal para cada ocasião

Com tecidos e modelagens variados, a camisa branca pode ser a opção para produções que vão do dia até a noite.

– Em ambientes formais, o ideal são modelagens clássicas em fibras naturais de seda, algodão ou linho, ou uma mistura de fibras naturais com fibras artificiais. Para um dress code casual, todas as opções de tecidos são aceitáveis. As fibras artificiais têm uma aparência mais despojada e requerem menos cuidados na lavagem. Além diso, não amassam com facilidade, ao contrário dos tecidos naturais – aponta a consultora de Moda e Estilo, Maria Luiza Ramos.

Escolher o modelo adequado para o tipo físico é um passo importante no momento da escolha da peça. A modelagem tradicional pode ser usada por todos os biotipos. No entanto, devem ser no tamanho correto para não ficarem muito justas e nem muito largas. Maria Luiza comenta sobre as opções mais indicadas para cada tipo de mulher:

– Para mulheres com o biotipo ampulheta e oval, a camisa mais acinturada marca e valoriza a região da cintura. Para o biotipo triângulo a camisa deve ser mais reta na cintura para não destacar o quadril e pode ter algum detalhe de babado nos ombros para equilibrar a silhueta. O biotipo retângulo permite uma modelagem acinturada para criar uma marcação nessa parte do corpo. Para as mulheres com formato de corpo de triângulo invertido, a peça permite algum detalhe como peplum ou babado na região do quadril para equilibrar com os ombros, que são um pouco mais largos.

Clique aqui para saber tudo sobre o Confraria da Moda