Carlos Trilha apresenta “Concerto nº 1 para sintetizadores” no Teatro da UFSC

Tecladista catarinense, que já trabalhou com Renato Russo e Marisa Monte, acaba de lançar um álbum em que recria clássicos de Nação Zumbi apenas com um sintetizador analógico

Foto: Alessandra Marfisa/Divulgação

O tecladista catarinense Carlos Trilha volta a Florianópolis com o Concerto nº1 para sintetizadores, em que compartilha o recém-lançado álbum Moogbeat – Nação Zumbi para Minimoog. O show integra o Projeto Cena Aberta e ocorre no Teatro da UFSC, nos dias 24, 25 e 26 de agosto – na sexta e sábado às 21h e no domingo às 20h. Os ingressos custam R$ 50 e R$ 25 (meia) e podem ser comprados via Sympla, ou na bilheteria do teatro, que abre uma hora antes do início do show.

Além das releituras de Nação Zumbi, como Meu maracatu pesa uma tonelada, Bala perdida, Quando a maré encher e Prato de flores, o músico executará ao vivo, a bordo de seu cockpit de sintetizadores, sequencers e drummachines, composições próprias e versões retro-futuristas de Vangelis, Villa-Lobos, Jean-Michel Jarre e Carlos Gomes.

Nascido em Florianópolis, Carlos Trilha é músico profissional desde 1986. Interessou-se pelo universo físico e eletrônico envolvido na geração dos sons desde seus primeiros anos na música, a partir do seu primeiro contato com um sintetizador, aos dez anos. Em 1989, radicou-se no Rio de Janeiro onde tornou-se um dos tecladistas mais respeitados do Brasil, atuando com grandes artistas como Renato Russo (ele produziu os álbuns The Stonewall Celebration Concert e Equilíbrio Distante), Marisa Monte, Erasmo Carlos e Gal Costa.

Em Moogbeat – Nação Zumbi para minimoog, o artista faz uma imersiva, orgânica e vibrante performance musical eletrônica. O álbum traz clássicos da banda pernambucana decodificadas para a linguagem da síntese analógica. Apenas para produzir a faixa Meu maracatu pesa uma tonelada, clássico do manguebeat, Trilha trabalhou dois meses em silêncio, sintetizando e tocando, apenas no minimoog, o som de cada instrumento presente na gravação original, no que Trilha chamou de “processo quase hipnótico”. O disco ficou pronto após mais um ano de trabalho artesanal. Todas as canções foram recriadas utilizando como gerador de todos os sons, tanto os percussivos quanto os harmônicos, apenas o emblemático instrumento que fez história nos anos 1970.

Escute!

Carlos Trilha apresenta Concerto nº1 para sintetizadores, para compartilhar o recém-lançado álbum Moogbeat – Nação Zumbi para Minimoog

Quando: dias 24, 25 e 26 de agosto – sexta e sábado às 21h e domingo às 20h
Onde: Teatro da UFSC (ao lado da Igrejinha), Praça Santos Dumont, Trindade, Florianópolis
Quanto: Ingressos a R$ 50 e R$ 25 (meia), via Sympla ou na bilheteria do teatro, que abre uma hora antes do início do show

Leia mais:

Artista Silvana Macêdo propõe conversa sobre arte e ciência em “Intraduzível”

Movimento Traços Urbanos propõe intervenções em espaços públicos de Florianópolis