Youtuber lança versão de “This is America”, de Childish Gambino, e é criticada nas redes

Gambino
Foto: Reprodução

A comediante e youtuber Nicole Arbour está sendo duramente criticada após lançar a versão feminina do vídeo This is America, de Childish Gambino. Arbour teve a intenção de fazer a “Woman’s edition” do clipe que fez sucesso na internet ao criticar o racismo, a alienação midiática e a falta de regulamentação no porte de armas nos EUA.

No post do Facebook em que Nicole publicou o vídeo, a reação do público não foi boa. Alguns comentários acusaram a comediante de ter feito uma versão branca da música de Gambino, e não uma versão mulher:

“Toda essa produção e planejamento e ninguém se deu conta do quão problemático essa ideia é?”, um seguidor comentou pelo Twitter e completou: “Esta não é uma edição de mulher é uma edição de mulher BRANCA. Se você não consegue ver a diferença, você é uma feminista de m%#da.”

“Você realmente não entendeu This is America, se o seu processo de pensamento te levou a criar uma versão para mulheres BRANCAS”, disse outro, “Por favor, delete o vídeo e peça perdão pela atrocidade”.

Leia mais:
“This Is America”: quem é Childish Gambino e por que seu novo clipe está bombando
Cantora IZA revela que já ficou com mulheres e que curte mandar nudes
Cate Blanchett dá seu recado sobre igualdade de gênero no cinema

Nicole Arbour, entretanto, não apagou o vídeo, mas desabilitou os comentários de sua publicação. A comediante ainda postou um texto explicando a intenção da nova versão do clipe, deixando claro que não era um pedido de desculpas, e sim, um esclarecimento:

“Eu acho melhor responder as interpretações erradas do meu vídeo por aqui para deixar as coisas claras”, escreveu Arbour. “O propósito da minha interpretação foi honrar o espírito da música, que me comoveu absolutamente, acrescentando experiências e verdades minhas e de muitas outras mulheres às verdades corajosas e brutais expressas no vídeo original”.

“Ele foi criado com a intenção de trazer a tona experiências que mulheres têm de enfrentar, como a censura da amamentação em público, a banalização de episódios de mulheres sendo drogadas para estupro, rótulos colocadas em nós (santa ou vadia), pressão para criar uma família, assédio no trabalho, dependência de drogas, efeitos das redes sociais nos relacionamentos modernos e em si mesma, além de uma menção às líderes de torcidas que vieram a público para exigir um salário mínimo das corporações multimilionárias para as quais trabalham.”, disse Arbour no texto.

A youtuber continuou afirmando que o vídeo foi “uma homenagem a uma obra de arte que acredito ser uma das mais impactantes na história recente”. Ela completou: “em retrospecto, devido à natureza polêmica do vídeo original, entendo por que algumas pessoas estão erroneamente interpretando isso como uma questão de branco contra negro. No entanto, essa não foi a intenção ou o assunto em momento algum. Nós temos um elenco criativo e diverso, empenhado no projeto do início ao fim, que participou para honrar o vídeo original, acrescentando mais verdades de outras perspectivas”.

Na assinatura do texto, Nicole terminou dizendo: “(Não é um pedido de desculpas, mas sim um esclarecimento) #GOTEAM”.

Assista a versão original e a adaptação de Nicole Arbour abaixo: