Você sabe se está consumindo chocolate de verdade?

Atire a primeira pedra quem consegue resistir a um chocolate – principalmente nesta época do ano. Um dos ícones das comemorações da Páscoa, ele se torna um protagonista nas lojas e nas buscas dos consumidores por boas opções.

Ao leite, amargo, branco, ou com outros ingredientes e sabores. São tantas versões, que se torna quase impossível não encontrar uma que agrade a cada paladar. Mas fica também o alerta: será que estamos consumindo chocolate de verdade?

Para a chocolatier Maitê Lang, existem inúmeros produtos no mercado que trazem ingredientes que não são desejáveis em um chocolate de qualidade.

– Desconfie daquelas listas enormes de ingredientes, nomes difíceis e termos muito técnicos. Pesquise e se informe para não consumir alimentos artificiais e que fazem mal à saúde – diz ela, que é uma das proprietárias da Nugali, marca de Pomerode.

Para esclarecer todas as dúvidas e garantir o sabor desta Páscoa, Maitê listou alguns quesitos que devem ser observados antes de comprar o seu chocolate.

Foto Divulgação

Ingredientes

Segundo a chocolatier, a listagem de ingredientes no rótulo é fundamental para saber o que está comprando.

– Conhecendo os itens que compõem o produto, fica mais fácil saber se é de qualidade – diz.

Além do cacau, que é a base do chocolate, outros ingredientes também costumam fazer parte da composição de um chocolate de verdade.

– O açúcar, na quantidade certa, equilibra o sabor naturalmente amargo. A manteiga de cacau serve para dar a textura aveludada, e a baunilha natural arredonda os sabores e aromas – e é utilizada desde a época dos Maias e Astecas. No caso de um chocolate ao leite, deve estar presente também o leite em pó integral – explica Maitê.

Ordem dos componentes

Não é de forma aleatória ou alfabética que os ingredientes aparecem nos rótulos: eles são listados em ordem decrescente por quantidade. Por isso, observando-se a distribuição dos itens na listagem, pode-se saber mais sobre o produto.

– Um chocolate de qualidade tem sempre o cacau entre os primeiros componentes e contam com teores de cacau mais elevados: acima de 40% no chocolate ao leite e acima de 60% nos chocolates amargos – afirma.

Foto divulgação

Ingredientes artificiais

Segundo a chocolatier, muitas marcas usam gorduras vegetais hidrogenadas no lugar da manteiga de cacau – o que, além de trazer malefícios à saúde, prejudica o sabor e o derretimento do chocolate na boca.

– A baunilha natural é um ingrediente caro, por isso, algumas empresas acabam substituindo pelo aromatizante artificial vanilina. Sem contar os conservantes produzidos em laboratório, que não deveriam fazer parte da composição de um chocolate de verdade – diz.

De olho nos benefícios

Não é segredo para ninguém que o cacau faz bem para a saúde. É rico em flavonoides, os mesmos antioxidantes naturais presentes no vinho, que contribuem para a saúde do sistema cardiovascular. Também combatem os radicais livres, que causam o envelhecimento precoce do organismo. Mas, para ter todos esses benefícios, é preciso estar de olho nos rótulos.

– Quanto mais elevados os teores de cacau e mais cuidadoso for o seu processamento, melhor para a saúde – diz.

 

Como funciona a produção de um chocolate de verdade?

O cacaueiro é plantado em muitos países tropicais e, no Brasil, a sua produção se concentra principalmente na Bahia e no Pará. Quando maduros, os frutos são colhidos, sua casca é quebrada e suas sementes, chamadas amêndoas de cacau, que ficam cobertas pela polpa, são colocadas em grandes tonéis para fermentação. Ali, ficam cerca de uma semana, sendo periodicamente revolvidas e, nesse processo, se desenvolvem os aromas e sabores. Após isso, as amêndoas são espalhadas ao sol para secagem por alguns dias. Em seguida, são enviadas para processamento.

Leia mais:
Mousse de chocolate com azeite de oliva? Confira essa e outras dicas com o suco da azeitona
Receita: mousse de chocolate funcional e saudável com três ingredientes
Naturalmente rosa e com sabor surpreendente: conheça o chocolate ruby