Conheça cinco terapias alternativas para pets

Utilizando recursos naturais e técnicas que não têm contra-indicações para tratar dos pets, a musicoterapia e outras técnicas ganham espaço nas clínicas veterinárias

Foto: Salmo Duarte / Agência RBS

As terapias alternativas têm ajudado a tratar e amenizar as dores de muitos cães e gatos. A busca por esses métodos em clínicas veterinárias está cada vez mais alta, por isso cada vez mais veterinários procuram se especializar e indicar esses tratamentos aos animais. Na busca por soluções naturais e menos invasivas para cuidar dos seus cães, os tutores estão apostando em terapias alternativas – como a musicoterapia, os florais e o shiatsu.

Essas técnicas podem fazer muito bem para a saúde do animal, visto que ajudam a fortalecer o sistema imunológico, relaxam, promovem bem-estar e mantêm o organismo funcionando em equilíbrio.

— O principal benefício é não oferecer nenhum tipo de efeito colateral aos cães. Essas técnicas podem ser usadas como terapias complementares para curar o animal de uma enfermidade, por exemplo — explica o especialista em comportamento animal Cleber Santos.

Além de auxiliar no tratamento de diversas doenças, alguns desses tratamentos – como a musicoterapia – são indicados também para cães agitados, estressados ou agressivos.

— É fundamental que, antes de qualquer método ser aplicados no animal, o tutor procure um veterinário e um especialista em comportamento animal, para que tracem um diagnóstico conjunto e indique os tipos de terapias que serão mais benéficas para aquele cão — explica Cleber.

Saiba mais sobre algumas técnicas:

Musicoterapia

Foto: Envato Elements

O método usa a música e diversos elementos sonoros – melodias, ritmos e harmonias- para promover mudanças positivas nos pets.

— Através de sessões da técnica de musicoterapia, é possível diminuir o nível de estresse do animal, fazendo com que ele relaxe e responda melhor a um tratamento no processo de cura de uma doença, por exemplo.

Cleber explica que não há contra-indicações, embora possa ocorrer uma piora no comportamento do pet, se o tipo de música utilizada não for adequada.

— O ritmo das músicas depende da necessidade de cada bichinho. Normalmente são músicas com violinos, violão e piano. Beethoven, por exemplo, costuma ser indicado para acalmar cães agitados — conta.

As sessões de musicoterapia devem ser indicadas e realizadas por um profissional. Em um tratamento a longo prazo, podem ser ensinados alguns exercícios para o tutor fazer em casa com o cão, para complementar as sessões.

Florais

Foto: pixabay

Essa técnica ajuda os animais em questões ligadas ao comportamento.

— O tratamento, que é baseado na essência das flores, é muito usado para auxiliar os cães a equilibrarem suas emoções e atingirem maior bem estar — explica Cleber.

A terapia pode ser aplicada, por exemplo, para acalmar cães hiperativos, auxiliar no tratamento da depressão, ou fazer com que os latidos em excesso diminuam.

— A terapia floral não tem contraindicações, é um tratamento suave e não causa nenhum mal ao animal — complementa o especialista.

Acupuntura

Foto: Salmo Duarte / Agência RBS

Essa técnica milenar chinesa consiste na aplicação de agulhas na pele dos animais. As agulhas causam estímulos no corpo, levando ao controle ou à cura de certas doenças.

— O grande auxílio com esse método pode ser dado aos pets que sofrem com problemas respiratórios, doenças dermatológicas, neurológicas, do sistema reprodutivo, musculares ou relacionados à estrutura óssea — indica Cleber.

Shiatsu

Original do Oriente, pressiona pontos energéticos vitais, estimulando os órgãos internos associados à eles.

— Assim como a técnica aplicada em humanos, o método é baseado na pressão dos pontos, trazendo benefícios para os cães em casos de estresse, ansiedade e agressividade.
Também é útil em casos de lesões musculares, problemas respiratórios e outros desequilíbrios na saúde do cão — diz.

Reiki

Foto: Emerson Souza / Agência RBS

Esse método é descrito como cura natural por canalização de energia vital. Através das mãos do especialista, o objetivo é restabelecer o equilíbrio físico, mental e emocional do pet.

— Pode aliviar dores, atenuar efeitos colaterais de outros tratamentos e promover
conforto emocional para o cão — finaliza Cleber.

Leia também:

Exames preventivos podem prolongar a vida dos pets e gerar economia para os tutores