Como são criados os idiomas falados em “Game of Thrones”?

O linguista David J. Peterson elabora idiomas fictícios como o Dothraki e o Valiriano

Game of Thrones
Game of Thrones (Foto: HBO/Divulgação)

Qual é o segredo para fazer com que os idiomas fictícios falados em Game of Thrones soem realistas? Criar estruturas coerentes, semelhantes aos dos idiomas que existem na vida real – e não apenas sequências aleatórias de sons e palavras. O linguista responsável por esse processo é David J. Peterson, que concedeu uma entrevista interessante em vídeo à revista Rolling Stone norte-americana, em que comentou como funciona seu trabalho.

Peterson conta que começou a criação consultando As Crônicas de Gelo e Fogo, livros de George R.R. Martin que deram origem ao seriado da HBO:

— Havia vários nomes lá, e também um bom número de frases curtas – algumas orações completas, de fato”, explicou. “As linguagens que eu ia criar precisavam estar de acordo tanto com a estética e a sonoridade quanto com os resquícios de gramática que havia nos livros.

O especialista conta que teve mais material no qual se basear para criar o Alto Valiriano, mas, para o Baixo Valiriano, precisou ser bem mais criativo.

O linguista trabalha em parceria com David Benioff e D.B. Weiss, criadores de Game of Thrones, para garantir a consistência dos idiomas de um episódio para outro. Peterson também conta que, de modo geral, fica “bem satisfeito com os atores e suas performances”, mas elogia especialmente Jacob Anderson, intérprete de Grey Worm, por seu trabalho brilhante com os idiomas fictícios.

— Ele é meu herói — comenta.

Já Emilia Clarke, que interpreta Daenerys Targaryen, normalmente tem dificuldades com a língua Dothraki – mas Peterson diz que isso parece fazer sentido dentro da história, já que o idioma não é a língua materna da personagem.

— É sempre engraçado para mim ouvir Emilia falar Dothraki — revela.

— Claro, a personagem dela não é fluente no idioma, e realmente acaba soando… Não-fluente. Ela entende e consegue falar, mas não soa exatamente perfeito.

Leia mais crônicas da Marina no Mar de Nina

Leia mais em Universo Compartilhado