Saiba como se “aposentar” aos 35 anos e viajar pelo mundo

Fizemos perguntas e respostas em que explicamos de que maneira nos mantemos e como mudamos nosso estilo de vida para realizar nossos sonhos. Confira

loco por vino
Foto: loco por vino

A coluna Loco por Vino é publicada semanalmente na Versar. Nela, compartilhamos nossas experiências — eu, André Baader, e minha esposa, Karla — em viagens pelo mundo todo. Mas você já parou pra pensar de que maneira conseguimos fazer isso? Saiba como se “aposentar” aos 35 anos  e fazer como a gente.

Fizemos perguntas e respostas em que explicamos de que maneira nos mantemos e como mudamos nosso estilo de vida para realizar nossos sonhos. Confira:

Que história é essa de se aposentar com 35 anos?

Uma maravilha. Quem falou que temos que esperar até os 65? Eu estou com 38, Karla com 33 e já faz algum tempo que não trabalhamos. Parece um sonho, certo? Mas se for bem orientado, isso é mais fácil do que imaginam.

E por onde devemos começar?

Primeiramente, devemos abrir nosso conceito de patrimônio. Foi-se o tempo em que patrimônio era ter um terreno na praia, casa própria e carro do ano. Carro deprecia e imóveis hoje, no Brasil, são um patrimônio sem liquidez. Tenho amigos com casa a venda por mais de dois anos e não aparece nenhum comprador. Uma casa de praia? Muito gasto para pouco uso. Que tal passar o verão em diferentes praias pelo mundo? O segredo está em não imobilizar o seu dinheiro e usar a velha premissa de que “temos que fazer o dinheiro trabalhar para nós”. Acredito que todos já escutamos isso algum dia, mas não realizamos o que isso significa.

Mas o que isso significa?

Significa não imobilize ou gaste seu suado dinheiro. Dinheiro que entra não pode sair, o que sai são os lucros. Lucros de onde? O segredo se chama investimentos.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

🇯🇵Once a Ninja, always #ninja . . #matsumotocastle #japan #japon #ninjas

Uma publicação compartilhada por Karla & André (@locoporvino) em

Que tipos de investimentos? Poupança? Capitalização?

Eu trabalhei por 10 anos em bancos. Os bancos não querem que você saia deles, por isso criam os títulos de capitalização (onde te amarram por anos), previdência privada, juros ridículos sobre aplicações financeiras, cartões de crédito, cheque especial, etc… Mas como você acha que os bancos ganham dinheiro? Fazendo o dinheiro trabalhar! E é assim que os bancos tem lucros em torno de R$ 3 bilhões por trimestre. Existem vários tipos de investimentos, bolsa de valores, tesouro, ouro, etc… Eu trabalho apenas com um, se chama Forex.

E como fazemos nosso dinheiro trabalhar?

Vou lhe dar meu exemplo, trabalhei nos Estados Unidos com Forex, um tipo de investimento que compra e vende moeda estrangeira. Um programa de computador (de uma empresa que contrato) faz inúmeras pequenas transações por minuto, dando um lucro de 5 a 6% ao mês com capital totalmente protegido, ou seja, não existe perda. Eu tinha uma linda casa de dois andares nos Estados Unidos, uma BMW conversível, porém gastos mensais com meu dia a dia de quase 4 mil dólares. Vendi tudo e apliquei o dinheiro. Hoje viajamos pelo mundo com os lucros. Quando ficamos cansados, alugamos uma casa onde tenha sol, como fizemos por quatro meses em Punta Cana. A cada 10 mil dólares você tira em média 5,5% ao mês em Forex, são 550 mês. A cada 100 mil são 5.500, a cada 200 mil são 11 mil dólares por mês que você pode ter de salário e assim por diante. Agora faça as contas, junte tudo que você tem, calcule 5,5% sobre o valor e veja quanto você pode ganhar com seu capital que está imobilizado e muitas vezes depreciando.

Muitos falam: “Mas eu não tenho nada!” Então busque um tipo de trabalho que possa te dar algo para começar. Nós trabalhamos em cruzeiros por algum tempo (trabalho duro, de 12 a 16 horas por dia sem dia de folga), onde tínhamos tudo pago e o dinheiro entrava limpo todo mês, algo como 4 mil dólares por casal, em um ano você junta 48 mil dólares. Pronto, já tem onde começar.

E por que essa informação não chega para todos? Por que não somos ensinados a investir?

Esta informação é muito restrita, caso contrário a poupança não existiria mais. Quem pagaria uma previdência para receber depois dos 60 anos sendo que pode receber um bom dinheiro 30 anos antes? As pessoas não usariam mais cheque especial… e os bancos não ficariam tão felizes. Os bancos detém a informação e não deixam que se espalhe, e assim lucram seus bilhões com o dinheiro do povo. O governo por sua vez, anda de mãos dadas com estas instituições financeiras, por isso Forex não é regulamentado no Brasil.

As pessoas têm medo de investir?

Muito! Tudo que é desconhecido gera medo, desconfiança e hoje qualquer um pode colocar informações descabidas nas redes sociais ou em sites de pesquisa. Basta colocar Forex no Google para ver a quantidade de besteira que encontramos. Geralmente, quando falamos de investimentos, algumas pessoas, por falta de conhecimento, associam até com pirâmides. Qualquer lucro acima de 1% ao mês, para pessoas desinformadas, é algo ilegal. Investimento parece ser um jogo, parece que estamos indo ao cassino e torcer para que dê certo, mas quem trabalha com isso sabe muito bem que não é assim, os riscos são calculados e apresentados aos clientes. A empresa onde invisto fala que os lucros são variáveis, porém o capital é protegido, nunca será menor que o investido. Apesar de os lucros serem variáveis, nos últimos cinco anos apenas duas vezes tiramos lucro menor que 5,5%, e nestes meses tivemos 3,5%

Sendo prático, como investimos?

Assim como qualquer investimento, existe bons e maus traders, bons e maus administradores do seu dinheiro, por isso é de extrema importância que você conheça a empresa que vai aplicar e que principalmente tenha algum conhecido que esteja há pelo menos dois anos investindo com esta empresa, ter um histórico dos resultados dos últimos dois anos é muito importante. Forex no Brasil não é regulamentado, não quer dizer que é ilegal (existem muitas empresas no ramo), significa que não existe uma regulamentação das empresas, não são “fiscalizadas”, por isso o ideal é aplicar em companhias situadas nos Estados Unidos. Eu invisto em uma empresa que está em Orlando, na Flórida, onde Forex é regulamentado e vigiado pela NFA (National Futures Association). É uma empresa hands free, ou seja, você “não mete a mão”. Quem faz os trades (compra e venda das moedas) é a empresa. Você apenas recebe um extrato mensal com os resultados.

Posso tentar fazer sozinho?

Jamais! Contrate uma empresa com especialistas e busque as que te oferecem capital protegido por contrato e fiscalizadas pela NFA. Existem muitos “profissionais” vendendo cursos sobre como aplicar em Forex, ensinando a você fazer sozinho… Não caia nessa! Eles só querem seu dinheiro e te amarram com cursos eternos, que não te levam a lugar nenhum. Você precisa de uma empresa que faça isso para você e que usem um “robô”, um programa de computador, que faça as transações de acordo com os parâmetros do mercado.

Qual sua dica final como especialista em investimentos?

Não compre casa, não compre carro do ano, não gaste seu dinheiro em viagens, invista! Invista em coisas seguras, que não exponham seu capital a risco, estude sobre o assunto antes de tudo, converse com quem já investe. Mude seu pensamento, você não precisa ter o sonho da casa própria, como nasceu sendo doutrinado a isso, muitos milionários que conheço vivem de aluguel. Com o dinheiro de uma mansão de R$ 3 milhões que poderiam comprar, eles tiram uma renda de R$ 165 mil. Se você tem uma casa de R$ 200 mil, ela vai lhe dar em média R$ 11 mil por mês. Isso paga um belo aluguel e sobra dinheiro para viajar, e o mais importante, sem gastar o capital. Você não deve juntar dinheiro para uma viagem, deve juntar dinheiro para aplicar e usar os lucros para viajar. Dinheiro auferido não deve ser gasto, ele espelha seu tempo de vida, cada segundo que você perde trabalhando se reflete em números na sua conta bancária. Se você juntar dinheiro e gastar, vai passar o resto da vida neste ciclo de trabalhar, poupar e gastar. Gaste seus lucros!

Por último, convidamos a todos a acompanhar nossa coluna semanal na Versar, onde contamos sobre vinhos e gastronomia pelo mundo. Também sigam nosso website, nossas redes sociais #Locoporvino, e conheçam nossa empresa de consultoria.