Conheça a cidade que abriga o cemitério das vítimas do Titanic

Lá está uma das tumbas mais visitadas, a de J. Dawson, que inspirou o personagem de Leonardo DiCaprio

Fotos: Loco por Vino

No extremo Leste do Canadá, visitamos alguns lugares interessantes nos 3 mil quilômetros que fizemos de carro, no caminho entre Quebec City e Yarmouth. Chegamos à cidade de Halifax, famosa por ter participado de um evento histórico, o naufrágio do Titanic.

Quando o navio se chocou com o iceberg, em 1912, no Atlântico Norte, um telégrafo foi enviado da cabine de comando a Halifax, comunicando o problema. O aparato e transcrições originais estão no museu da cidade, assim como algumas relíquias recuperadas, como um pedaço da famosa escadaria da embarcação.

O capitão do Titanic achou que conseguiria chegar até Halifax, porém quando constatou o grave problema, solicitou ajuda, que saiu da cidade até o ponto em que ocorreu o naufrágio.

As autoridades locais enviaram barcos, ajudaram a resgatar os poucos sobreviventes, porém o maior trabalho foi de resgate de corpos, que foram levados para Halifax.

Mais de 120 pessoas estão enterradas no chamado “Cemitério do Titanic”, que é visitado por todo turista que passa por Halifax. Lá está uma das tumbas mais visitadas, a de J. Dawson, que inspirou o personagem de Leonardo DiCaprio.

No museu de Halifax, também encontramos muita história sobre a maior explosão antes de Hiroshima, que foi a colisão de um navio cargueiro de munição, que matou mais de 2 mil pessoas na costa da cidade.

Quem aprecia navegação e história deve colocar Halifax em sua visita pelo Canadá.

Outros atrativos da região

Neste trecho, uma das paradas interessantes foi em Nova Scotia, na vinícola chamada Jost, a mais famosa da região. Ela produz vinhos de uvas híbridas, mas o produto que se destaca vem de um a iguaria canadense, o Maple Wine, que é feito da fermentação de Maple Syrup. O produto final lembra Ice Wine, mas com o sabor característico de açúcar queimado.

Seguindo viagem, passamos por Hopewell Rocks, onde está uma das maiores marés do planeta, com diferença de até 14 metros entre a mais alta e a mais baixa. Visitamos nos dois períodos, para sentirmos a diferença de perto.

Chegamos com a maré alta e tiramos esta foto de cima de uma plataforma. Depois descemos na maré baixa e caminhamos onde antes era algo como oito metros de água.

Seguindo nossa trip, paramos na cidade de Digby para comer as vieiras ou scallops, consideradas as melhores do mundo. E provamos a enrolada no bacon e Maple Whiskey. Realmente o sabor e principalmente a textura são impressionantes!

Já na pontinha do Canadá, na cidade de Yarmouth, finalizamos com um prato típico do país, porém adaptado à costa: o Lobster Poutine. Um prato de batatas fritas, coberto com lagosta cozida e molho branco.

De lá, pegamos o ferry chamado “Cat” que nos levou do Canadá a cidade de Portland, em Maine, nos EUA, considerada o paraíso das lagostas.

Leia mais colunas de Loco por Vino