Conheça a Loire Valley, região de castelos considerada uma das mais charmosas da França

Fotos Loco Por Vino, Divulgação
A região que beira o Rio Loire, também é conhecida como o jardim da França.

Antes de sair de Bordeaux, demos uma passada na Cité du Vin, que foi inaugurada em 2016. Em hipótese alguma você deve deixar de visitar este local. Seja um iniciante ou expert em vinhos, alguma coisa você vai aprender e vai sair muito satisfeito da visita.

É um museu sobre a história dos vinhos, onde você vê inúmeros videos, hologramas, sente cheiros característicos aos vinhos e tão citados por sommeliers e ao final, ainda degusta uma taça de vinho no andar superior do prédio. É como um Louvre do vinho.

Deixando Bordeaux, dirigimos 3 horas ao norte, rumo a Loire Valley.

Região conhecida por três uvas: Chenin Blanc, Sauvignon Blanc e Cabernet Franc.

Lá você vai encontrar os melhores vinhos da França nestas três variedades, sendo a região muito famosa também por seus espumantes.

Parnay

Nossa primeira parada foi a caminho de Saumur, na cidade de Parnay.

Parnay é conhecida pelas casas e caves serem escavadas no solo da região, que nada mais é do que puro giz.

Na beira da estrada, encontramos a sala de degustação do Chateau de Parnay.

Picture

E foi lá, que tivemos uma introdução aos vinhos de Loire, e provamos dois espumantes, dois brancos e quatro tintos.

A região de Parnay e Saumur, trabalha basicamente com 100% Cabernet franc e 100% Chenin Blanc, com variedades passando por madeira ou não.

Como aficionados por Cabernet Franc da Argentina, foi um grande prazer entender melhor sobre os 100% Cab Franc da França. Com menos características verdes e de pimenta, do que os seus “vizinhos” do Sul, os Cab Franc desta região entregam muita fruta, que são balanceadas em seu estágio em madeira. Se preferirem vinhos frutados, o ideal é escolher um que não passe por barrica.

Picture

A estrela da casa, são os vinhos provenientes da parcela que se tornou um monumento histórico e único no mundo.

Chamada Clos D’Entre Les Murs, foi construída em 1894 e possui uma técnica única de orientação das vinhas.

Picture

Picture

Picture

Um muro divide as raizes, da parte superior das vinhas.

Essa técnica, controla a exposição do sol e mais ainda… Como o muro possui três metros abaixo da terra, ele conduz as raízes ao fundo e não para os lados, forçando a planta a buscar mais água e nutrientes.

O resultado, um excelente Chenin Blanc, concentrado e complexo, daqueles históricos, que tivemos a oportunidade de provar.

Saumur

Seguimos caminho rumo a cidade de Saumur, um local muito simpático, onde paramos no mais famoso wine bar da região, chamado La Tonnelle. Degustamos os vinhos de Saumur, harmonizados com queijos e Charcutaria local.

Picture

As uvas Chenin Blanc e Cab franc, se aproveitam do clima oceânico da região e entregam baixo a médio corpo, finos taninos e forte fruta para os tintos e muita flor, mel e caramelo para os brancos.

Existe uma rua em Saumur, onde ficam muitas caves de espumantes, um atrativo local.

Você pode buscar por Bouvet-Labuday e Ackerman, que ficam nesta rua. Visitando estas duas, já vai provar mais de 15 espumantes. Porém se quiser pode parar em mais umas cinco casas que ficam praticamente uma ao lado da outra.

Bouvet-Labuday, é famosa por ter um vinho de uvas provenientes da vinícola do ator Francês Gerard du Pardie.

Picture

A Bouvet Saphir é a mais vendida da casa. Todos os vinhos são produzidos pelo método tradicional, e o mais caro custa €18.45. Entre uma champagne de 20 euros e um espumante de Saumur, opte sempre, sem sombra de dúvida, por um espumante de Saumur. Estamos falando de top de linha de uma região (Saumur), contra um vinho de entrada de outra (Champagne). Não se deixe levar apenas pelo nome.
 Valeu muito esta parada em Bouvet, recomendamos!

Picture

Picture

Na Ackerman, prepare-se para passar um bom tempo degustando vinhos. Todas as provas, em Loire Valley, são gratuitas e bem servidas. Então controle-se… Ou não.

Nesta adega, uma das mais famosas da região, provamos espumantes tintos, feitos com Cabernet franc, brancos envelhecidos em barrica, outros sem sulfito, vinhos doces, etc… Tem para todos os gostos. É uma verdadeira aula “in loco”.

O atendimento é excelente e achamos que foi o melhor lugar para entender os vinhos da região. Você pode provar toda a extensa linha de vinhos da casa. Se nós recomendamos parar na Bouvet, na Ackerman então, a parada é obrigatória!

Chinon

Nossa próxima noite foi em Chinon, não sem antes passar no Museu do Champignon, para provar a cerveja de Shiitake.

Picture

Uma cerveja belga, produzida com cogumelos shiitake. Com propriedade, podemos falar que é uma das melhores cervejas que já tomamos. O problema, é que só está disponível para venda neste museu, na França.

A melhor combinação para a bebida são os champinhons frescos, produzidos no local. Você pega do cesto, “sacode” a terra e come cru mesmo, totalmente natural, delícia!

Chinon é famosa por ter o castelo, onde o maior dos cavaleiros templários, e o último, Jacques de Molay, foi julgado e preso pela Santa inquisição. Logo após ele foi condenado e queimado na frente da Catedral de Notre Dame, em Paris.

Nas ruas históricas de Chinon, logo atrás do hotel que ficamos, Joana d’Arc, considerada uma heroína pela França e uma Santa pela igreja Católica, se encontrou com o Charles VII, pois esta teria recebido uma mensagem divina para salvar o rei e seu reino. Coisas da época.

Provamos muitos Cabs Franc em Chinon, são bem frutados e leves, puxando para um mix entre Beaujolais e Pinot Noir. Não se comparam aos 100% Cab Franc de Argentina e Chile, que carregam em toques de pimentão e pimenta.

Ficamos no hotel Hostellerie Gargantua, onde comes uma bela carne, acompanhada de um Cabernet Franc é claro.

Note que as principais cidades para estes reds são Chinon, Bourgueil e Saumur-Champigny.

Mas, sendo sincero… fomos a Loire em busca dos Chenin Blanc, principalmente os de Vouvray e os Sauvignon Blanc de Sancerre.

E não nos decepcionamos, os vinhos de Vouvray, trazem um tom mineral aos florais Chenin Blanc, fazem jus a fama.

Nossa primeira parada foi no Chateau Gaudrelle, onde você pode degustar as 4 “caras” de Vouvray: Os Espumantes, secos, semi-secos e de sobremesa.

Picture

Os espumantes são fantásticos, os vinhos doces de sobremesa (Botrytis), também, mas o que impressiona é a qualidade dos Chenin Blanc Secos, que na realidade possuem um toque de açúcar residual, para equilibrar a alta acidez das uvas da região.

Foi na Cave de Vouvray, que encontramos as melhores surpresas.

A melhor delas, o 100% Chenin Blanc, chamado Rosnay. A garrafa custa €8.40 na vinícola
.

Picture

Alías, preço baixo é uma característica de Vouvray. Vinhos abaixo de €10 euros são comuns e acima de €20 Euros, muito raros.

Em Vouvray, resolvemos comprar alguns vinhos no supermercado, uns queijos, baguette e desfrutar o hotel, uma antiga vinícola que parecia mais um castelo.

Nossa última parada em Loire foi em Sancerre. Famosa região por produzir um dois mais aclamados Sauvignon Blanc do mundo.

Existem apenas duas uvas em Sancerre, Sauvignon Blanc e Pinot Noir. Como sua fama vem dos brancos, então vamos a eles.

Quando falamos de Sauvignon Blanc, é inevitável a comparação com os astros da região de Marlborough, na Nova Zelândia. Porém, ao contrário destes vinhos com tons verdes, ervas e grama, os Sauvignon Blanc de Sancerre aportam muita acidez, mineral acentuado e aromas florais e de fruta.

São vinhos completamente diferentes um do outro. Incrivelmente, uma região logo ao lado de Sancerre, chamada Pouilly-Fumé, produz também um outro tipo de vinho, usando a mesma uva, porém são mais encorpados, frutados e com mais cor que seus vizinhos de Sancerre.

Erroneamente, muitos autores falam que Pouilly-Fumé tem um retrogosto de fumaça, pois se deixam levar pelo nome fumé e associam a defumado/fumaça. Como uma mentira contada varias vezes vira verdade, estes “especialistas”, repassam a informação errada, através do famoso copy-paste.

Por isso que nós, do Locoporvino, somente falamos de lugares onde já colocamos nossos pés, sentimos os cheiros, sabores, tocamos o produto e falamos com quem produziu. Em Locoporvino we trust!

O Nome Fumé, segundo conversamos com locais e a oficina de turismo de Sancerre, provavelmente vem associado a neblina matinal que existe na região, que parece fumaça, mas não é. Consequentemente, em nada vai agregar sabor de bacon ao vinho, como já li por ai.

Em Sancerre, visitamos uma vinícola biológica e biodinâmica (vamos explicar em outro post o que é isso) muito legal, chamada Domaine Fouassier.

La, provamos vinhos de diferentes lotes e tipos de solo. Isto é comum em Sancerre, evitam blends e fazem vinhos de pequenos lotes para diferenciar o terroir.

Raramente passam por barrica. O segredo dos Sauvignon Blanc é a mineralidade e acidez que não podem ser ofuscadas pela barrica.

No centro da cidade, visitamos o Domaine Vacheron. Nós falando um pouco de francês e o dono um pouco de inglês, juntando tudo saiu alguma coisa… Ele nos mostrou os diferentes solos e fósseis da região, onde suas uvas estão plantadas. Alguns fósseis são de 148 milhões de anos, época em que Sancerre ainda era mar. Fantástico, não?

Picture

Um dos melhores vinhos que provamos está lá, e se chama “Les Romains”, solo de 45 milhões de anos, vinhas de 20 e 50 anos. Com notas de cítrico, pera caramelizada, bem mineral, um toque de salgado e um rara lembrança de verde ao fundo.

Combinando tudo isso, este vinho levou o prêmio de ser o melhor, dentre os que degustamos.

Picture

Também provamos diferentes lotes e solos, são todos maravilhosos e mostram a diferença de sabores e aromas que os tipos de solo aportam ao vinho.

Picture

Ficamos em um hotel com vista aos vinhedos, chamado Lê Panoramic.
Em Sancerre se come comida típica francesa, como um entrecôte…

Picture

Ou um prato com variações de pato, como Foie gras, Magret de canard defumado e Confit de Canard.

Picture

Quanto mais nos aproximamos de Sancerre, mais você vê oferta de um pequeno queijo, redondinho, chamado Crottins de Chavignol. Um queijo de Cabra proveniente da cidade vizinha, Chavignol, e o mais famoso da região, que faz harmonização perfeita com o Sauvignon Blanc de Sancerre.

Picture

Uma vez escutei que: “Quem não aprecia vinhos brancos, é por que ainda não aprendeu a degustar um bom vinho ou por que nunca tomou um bom branco.”

Hoje, concordo com esta afirmação, e acrescento… Quem não gosta de Rosé, é porque nunca tomou um vinho de Provence, no verão Francês.

Outras cidades em Loire para conhecer, se tiver tempo, são Amboise e Tours.

Quando se chega em Loire, a impressão é que precisamos de 1 mês inteiro para ver tudo. Uma cidade mais linda que a outra, onde castelos e vinícolas, compõem a paisagem de uma das regiões mais charmosas da França.

Se quiser planejar suas próximas férias por lá, não irá se arrepender. Se quiser visitar os Castelos e parar em mais cidades, prepare uns belos 30 dias para ver tudo.

Antes de deixar a França e seguir viagem, passamos para provar as famosas cidras da região de Calvados e ver o por do sol no Mont Saint Michel. Experiência única!

Que passeio amigos! Agora rumo a Inglaterra, onde vamos continuar a trip, mas agora, de cruzeiro.

​Cheers!

Leia mais de Loco Por Vino: