Conheça os vinhos da Austria em uma visita a Innsbruck, o coração dos Alpes

Fotos: Arquivo pessoal

Alpes, é a mais alta e mais extensa cadeia de montanhas da Europa, passando por França, Suíça, Mônaco, Itália, Liechtenstein, Áustria, Alemanha e Eslovênia, tendo o Mont Blanc, como o pico mais alto desta maravilha da natureza. Já a cidade de Innsbruck, que visitamos, é considerada a joia dos Alpes, com ótimos restaurantes, paisagens, esportes radicais, e claro, muito vinho!

Assim que chegamos, pagamos 36 euros por pessoa para um passeio de bondinho que nos levou a ter uma vista fabulosa e que já mostra o porque da fama da cidade.

Picture

Com três paradas até o topo, você pode visitar um zoológico ou comer o famoso schnitzel (filé de porco bem fininho e empanado) com uma vista de tirar o fôlego.

Encontramos o Bar Invinum, que oferece seis brancos e seis tintos, com um prato de queijos, presunto e salame no total de 40 euros.

Existem duas uvas características da Áustria, são elas: Gruner Veltiner (branca) e Blaufrankisch (tinta). Você vai encontrar uma variedade imensa de Chardonnay, Riesling seco, Sauvignon Blanc, e blends estilo Bordeaux (Merlot/Cabernet Sauvignon), vinhos de excelente qualidade, como o Blend Legends de Erich Schwiblhofer, da região de Burgenland. Porém as uvas a serem realmente provadas e estudadas são Gruner Veltiner e Blaufrankisch.

Gruner Veltiner engloba mais de 30% das uvas plantadas na Áustria. Algumas são destinadas a produção de espumantes. A característica principal desta uva, quando plantada em solos austríacos, é sua mineralidade e tons herbáceos. É muito popular por ser de fácil harmonização com diferentes tipos de culinária, e por isso, é sempre oferecido em restaurantes locais. A uva vem ganhando destaque mundial, por bater vinhos famosos em testes cegos feitos por especialistas em Vienna.

Se você gosta das características de um Sauvignon Blanc, não pode deixar de provar Gruner Veltiner, que dependendo da classificação (qualidade), possui um valor que vai de 5 a 50 euros. É possível encontrarmos vinhos descentes por menos de 10 euros nos supermercados.

É comum especialistas comentarem que o melhor Gruner vem da região de Wachau e classificado como Smaragd, o top da classificação da região, que possui uma regra única, diferente da classificação nacional dos vinhos da Áustria.

Apesar de a história Áustria apontar cultivo de uva e produção de vinhos a mais de 2000 anos, a reputação dos vinhos da região, e consequentemente seu preço, foram comprometidos nos anos 70 e 80, em uma época em que os vinhos eram basicamente exportados para a Alemanha. Para atender a demanda e a exigência por qualidade, os austríacos adulteravam seus vinhos com aditivos proibidos, para adoçar e encorpar seus produtos. Quando a falcatrua foi descoberta, mais de 80% da produção de seus vinhos ficaram sem compradores. Com o escândalo os austríacos recomeçaram do zero e reinscreveram as regulamentações atendendo exigências mundiais. Hoje, com uma recuperação surpreendente, os vinhos austríacos secos estão lado a lado com famosos nomes europeus.

Apenas 30% dos vinhos produzidos na Áustria são tintos, em sua maioria produzidos com a uva Zweigelt, que produz um vinho leve, que lembra as uvas Gamay ou Grenache, raramente passando por madeira. A uva que produz vinhos com mais característica e potencial de envelhecimento se chama Blaufrankisch. São uvas que amadurecem tarde e tipicamente apresentam muito tanino e um caráter de especiarias. Pelo potencial de ter altos taninos e acidez acentuada, é muito usada em blends, dando corpo e estrutura ao produto final.

A Áustria também é famosa por fabricar as taças mais cobiçadas por sommeliers e considerados um dos melhores recipientes para se degustar um bom vinho. Existe uma frase na região que fala: “se o seu vinho pudesse escolher o copo, ele escolheria Riedel”.

Riedel é uma famosa marca de taças, comumente encontrada em restaurantes. Porém, se você quiser algo ainda mais refinado, que irá elevar sua experiência em uma degustação a um nível cinco estrelas, as taças da marca Zalto, que chegam a custar mais de 50 euros a unidade, prometem entregar mais prazer para o seu jantar.

Nossa visita foi em meados de outubro, onde as temperaturas estavam em torno de 9 graus pela noite e 18 durante o dia. Perfeito para um passeio pelos Alpes em um belo dia de sol.

Salud!

Leia mais:

Oktoberfest: conhecemos a mundialmente famosa festa de Munich, na Alemanha

Uma garrafa de champagne pode estourar durante um voo de avião?

Gin: ensinamos 3 cocktails com a bebida a base de zimbro