Mostra Duas Vitrines: um espaço de cultura, arte e laboratório de ideias chega à Florianópolis

Fotos Mariana Boro

Muito além do comercial, a BellaCatarina também está construindo um espaço de cultura, arte e laboratório de ideias. Dessa forma, já trouxeram a Florianópolis vários designers, realizando a mostra 10×10, em celebração à primeira década da marca e agora mais uma edição em outro formato.

As vitrines autorais assinadas pelos arquitetos Juliana Pippi e Marcelo Salum ficam em exposição nos próximos meses.

A ideia é que mais profissionais assumam os espaços da loja a cada temporada.

 

O prazer do conforto

Inspirado na atmosfera do lar, arquiteto Marcelo Salum cria ambientação acolhedora para a vitrine da loja Bellacatarina.

Em um espaço de 55 metros quadrados, criado especialmente para a Mostra Duas Vitrines, o arquiteto Marcelo Salum procurou traduzir todo o conforto de uma casa. A escolha das peças, das cores e texturas dos tecidos revela todo o aconchego de um lar. Aliás, o ponto de partida para este projeto que ambienta um dos lados da vitrine da Bellacatarina foi o conforto.

“Esta é a sensação que procuramos trazer para os visitantes”, diz o profissional. Fazer um espaço numa vitrine que tem uma loja ao fundo é sempre um desafio. Por isso, para destacar os ambientes que remetem aos de uma casa, Salum optou por criar o que ele chama de pequenos casulos que lembram o desenho infantil. São duas águas e uma fachada para acomodar três espaços: sala de jantar, estar e um quarto. Assim, as pessoas conseguem ter a noção e visualizar a atmosfera de uma casa em toda dimensão da vitrine.

A estrutura abraça os cenários individualmente. Tapetes vestem o piso, aquecem e ao mesmo tempo demarcam o fluxo interligando os espaços.

Com a chegada da estação que traz as temperaturas mais baixas, as texturas próprias ao clima convidam ao toque.

“Por isso escolhemos tecidos com características mais aveludadas, que têm tudo a ver com os dias de inverno”, pontua Salum.

O mobiliário também acompanha a linha do conforto, com formas orgânicas, arredondadas, mais curvas – livre de cantos – tendência forte na decoração, segundo o arquiteto.

Zona temperada

Juliana Pippi, inspirada na paleta de cores da floresta, cria o cenário perfeito para curtir as noites a céu aberto.

Frescor, roda de amigos, verde ao redor. Juliana Pippi não só imaginou, mas criou um cenário aconchegante em meio à floresta no seu espaço chamado de “Noites Tropicais”.

“Os móveis da Tidelli me remetem à área externa, alegria, brasilidade. Então surgiu a ideia da composição, marcada pela presença absoluta do verde – no tom e também nas plantas -, do chão ao teto.

Eu queria tudo muito verde”, admite a arquiteta. E o verde pleno – e suas variáveis – puxou a combinação de cores. O roxo, o rosa e uma pontuada do amarelo mencionam a estética da paleta da mata – riquíssima em variações de matizes.

Juliana se apropriou do jardim vertical de samambaias, permanente na loja, que serve como pano de fundo para o rendário, lapidado em madeira maciça pelo artesão Elias Lanzarini. A rede – trama outrora usada para a pesca – agora somente tem a função de embalar o corpo em descanso.

A profissional cobriu o chão de folhas, revestiu o teto com papel de parede estampado com desenho de palmeiras, selecionou cortinas Tidelli tecidas por meio da técnica macramê, estas instaladas nos dois lados do ambiente.

Reforçou o artesanato incluindo na decoração vasos de cerâmica e cestarias para guardar mantas. Afinal, as noites tropicais também podem ser aproveitadas nas baixas temperaturas, amenizadas com uma lareira, uma taça de vinho. Melhor ainda com o calor humano, um violão, conversa solta entre amigos. Especial convite deixado pela arquiteta.