Depressão e ansiedade: como anda a saúde mental da mulher

Foto: Pexels

Pensei em escrever sobre doenças prevalentes e fiz uma pesquisa nos buscadores da internet. Me chamou a atenção o destaque entre as manchetes de matérias, jornais e revistas para as doenças causadoras de morte como as doenças cardiovasculares e os vários tipos de cânceres. Entre tantos destaques algumas matérias citavam possíveis causas e muitas propostas de mudança do estilo de vida numa tentativa de evitar estas que são, sabidamente, as maiores causadoras de morte na população mundial.
Senti falta de doenças que causam menos de 1% de morte, mas que são as maiores causadoras de afastamento do trabalho e de incapacitação no mundo as doenças que caracterizam a saúde mental.

O termo transtorno mental engloba uma grande variedade de doenças ou condições que afetam a mente e provocam sintomas emocionais e comportamentais e podem se associar a sintomas físicos. Só para se ter a ideia da gravidade: uma a cada dez pessoas que procuram o médico preenche os requisitos para o diagnóstico de depressão.

As mulheres são mais acometidas que os homens nos transtornos de ansiedade e depressivo e ao contrário nos transtornos devido ao uso de substâncias como drogas e álcool. Ainda nesse contexto, o número alarmante de tentativa de suicídios (maior entre as mulheres) e suicídios (maior entre os homens) cresce desesperadoramente entre a população independente de origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero.

As mulheres parecem ter alguns agravantes não modificáveis além do próprio gênero e do fator genético como os fatores hormonais e suas diferentes fases do ciclo reprodutivo. É sabido o maior risco de depressão após o nascimento de um filho, por exemplo, e destaco aqui a importância da rede de apoio a fim de perceber quando a mãe precisa de ajuda. (já falei sobre esse tema na coluna). Outra fase relevante e problemática pode ser a fase pré-menstrual e a sabida TPM – tensão pré-menstrual pode ser, mais recentemente, divida também como TDPM – transtorno disfórico pré-menstrual que é uma forma grave de síndrome pré-menstrual e engloba sintomas físicos, comportamentais e emocionais além de aumentar o risco de transtorno depressivo no futuro.

O aumento da expectativa de vida da mulher trouxe uma nova mulher idosa para a sociedade muitas vezes fisicamente saudável e mentalmente doente. A depressão na mulher idosa é uma realidade e contribui para o isolamento social e a dificuldade de convívio dessas mulheres com as pessoas que a cercam.

Apesar da depressão e da ansiedade serem os transtornos mais comuns e também os mais conhecidos, eles não são os únicos transtornos mentais que crescem a cada dia. Os transtornos alimentares, o transtorno bipolar, síndrome do pânico, as fobias a esquizofrenia são alguns outros exemplos de tantos transtornos mentais que crescem a cada dia e requerem diagnóstico correto e tratamento adequado.

A sociedade precisa entender que o equilíbrio físico e o mental caminham lado a lado! O tratamento multidisciplinar é fundamental para devolver não só qualidade de vida e sim o desejo de uma vida feliz para o doente. É inadmissível que o doente seja acusado e culpado pela sua doença e discriminado diante do seu diagnóstico. Com compaixão, apoio e compreensão a busca por ajuda e pelo tratamento adequado se torna mais fácil e bem-sucedida.

Leia mais da Dra Luísa Aguiar:

Congelamento de óvulos: atriz Paolla Oliveira reacende debate sobre a técnica utilizada por muitas mulheres

Minha vagina saiu da posição normal?

Está na hora de sexualidade virar manchete