Conheça espaços públicos e comunitários com design surpreendente

Quando as arquiteturas e os designs feitos para as pessoas atingem muitos desses sujeitos, garantindo, ao menos em parte, a satisfação de suas contemplações utilitárias e líricas, o status de arte dessas atividades parece se completar

Beleza universal: Refettorio Felix tem paredes escuras, mobiliário dos melhores produtores mundiais de design e luminárias pendentes rebaixadas para acolher e encantar (Foto: Designilse/Divulgação)

Ao longo de nossas vidas, desde o nascimento até o desaparecimento, estamos ininterruptamente nos relacionando com os feitos da arquitetura e do design – em casa, no trabalho, sob um teto ou sem ele.

Dar qualidade ao nosso estar no mundo implica, então, em criar objetos, espaços, edificações e cidades com elevados valores funcionais, estéticos e éticos. Ter acesso a uma habitação, a um ambiente ou a um artefato que facilite o cotidiano melhora, sim, a existência. E quando as arquiteturas e os designs feitos para as pessoas atingem muitos desses sujeitos, garantindo, ao menos em parte, a satisfação de suas contemplações utilitárias e líricas, o status de arte dessas atividades parece se completar.

Comer, contemplar, mudar

Refettorio Felix é o nome de uma cozinha comunitária criada pelo programa Food for Soul, que assiste pessoas em situação social vulnerável e sem-teto na cidade de Londres. O chef Massimo Bottura e a designer Ilse Crawford deram forma a um lugar de inclusão, engajamento e compartilhamento, onde todos podem se sentir bem-vindos, comer e se inspirar. O partido do projeto de interiores era “simples”: criar um espaço bonito, oferendo ao público um prazer universal – a fruição da beleza –, tão ausente em projetos sociais. Segundo esse entendimento, a contemplação do belo pode aproximar as pessoas, independentemente de suas origens, trajetórias e status social. Também pode criar um sentido de intimidade e uma vinculação ativa com o espaço físico, o que favorece as trocas interpessoais e o consenso. O refeitório conta com um salão de refeições, canto para leitura, sala de aconselhamento reservada, área para projeção de filmes e uma grande e moderna cozinha industrial. Para concretizar os ambientes com todos os requisitos funcionais e estéticos idealizados, os realizadores do projeto contaram com a parceria de marcas notáveis do design internacional, como Alessi, Artek, Artemide, Mutina, Mylands, SCP e Vitra, que doaram o mobiliário, a iluminação e outros itens. Por um mundo mais inclusivo, sempre.

Banheiros públicos

Como um lavabo: Aspecto contemporâneo e cozy dos novos banheiros do aeroporto da Capital catarinense (Foto: Stéfano Souza/Floripa Airport)

Banheiros públicos são, comumente, espaços impessoais, assépticos e pouquíssimo acolhedores. O projeto recentemente inaugurado dos novos toaletes do saguão do Aeroporto Internacional de Florianópolis, assinado pelo ATO 9 Arquitetura, busca reverter essa lógica. Mais amplos e confortáveis, os ambientes em esquema de cores neutras mesclam madeira a revestimentos porcelânicos nobres sob uma iluminação em tom branco quente. A estética que une o funcional ao decorativo faz lembrar os lavabos residenciais e desperta aconchego. O espaço conta ainda com um fraldário que traz poltrona para amamentação em cômodo privativo dotado de isolamento acústico e luz baixa, equipado com trocadores e forno microondas. Conforto para todos.

Por nós, pela cidade

Arquitetura para a emancipação: O Centro de Assistência e Desenvolvimento Infantil de Nicoya, projeto participativo conduzido pelo Entre Nos Atelier, que une espaços semi-abertos com fechamentos porosos que facilitam a ventilação cruzada (Foto: Pamela Zamora/Divulgação)

O escritório costa-riquenho Entre Nos Atelier nasceu em 2010 para trilhar um caminho transgressor e altruísta no cenário da arquitetura contemporânea. Para além de seus projetos sensíveis ao contexto de sua implantação, os arquitetos Alejandro Vallejo e Michael Smith buscam desempenhar o papel de facilitadores de um processo criativo que exige a presença das pessoas da comunidade e acaba por funcionar como um “lugar” de reunião, intercâmbio e convivência para impulsionar projetos próprios de diversas ordens a partir da autogestão comunitária. Dar voz aos sujeitos da arquitetura e fazê-los co-responsáveis pelos resultados alcançados por ela é uma estratégia que subverte a lógica convencional do projeto de gabinete. A fim de melhorar a qualidade das edificações, o Entre Nos quer compreender e reinterpretar o processo participativo dos sistemas de apropriação utilizando estratégias de inteligências coletivas como ferramenta projetual. Bravo!

Agenda
Curso de Arquitetura Contemporânea
Internacional, por Gabriel Kogan

Quando: 21 a 24 de agosto de 2018,
das 19h às 21h30min
Onde: Museu da Escola Catarinense (Mesc), na Rua Saldanha Marinho, 196, Centro, Florianópolis
Quanto: R$ 345 + 10% de taxa de inscrição
Inscrições aqui.
Contato: contato@blocob.arq.br

Leia também:

Movimento Traços Urbanos propõe intervenções em espaços públicos de Florianópolis