Dicas simples para viajar sem descuidar da saúde

Conhecer lugares novos é muito mais interessante que frequentar farmácias e hospitais não é mesmo? Algumas dessas dicas básicas podem evitar isso!

Foto: pixabay

Aproveitando que estou de férias na África do Sul, e viajar é uma delícia, resolvi escrever sobre alguns itens indispensáveis para uma viagem feliz e segura. Afinal, não podemos esquecer da nossa saúde.

No topo da lista está o seguro viagem. Em alguns países ele é obrigatório, em outros não. De qualquer forma, sempre faça um. Alguns cartões de crédito oferecem esse beneficio desde que sua passagem tenha sido comprada com ele. Gestantes devem fazer seguro que cubra as intercorrências gestacionais – já tive pacientes com sangramento inúmeras vezes e ter um lugar para recorrer deixa a viagem, no mínimo, mais tranquila.

Sempre aconselho uma necesserie com medicações – na mala de mão – e a prescrição médica. Aconselho agendar uma consulta médica antes da viagem para que, além das medicações triviais serem incluídas na mala, medicações que só podem ser compradas com receita médica, como os antibióticos, por exemplo, sejam levadas. Eles não são vendidos nas prateleiras de farmácias e requerem, igualmente, receita médica no exterior, assinada no país, ou seja, seria preciso consultar o médico lá.

Leve a receita das suas medicações, principalmente as de uso contínuo, afinal qualquer intercorrência poderá ser resolvida com a receita. Por exemplo, se você for parada no controle alfandegário e precisar abrir sua mala e explicar o que está levando, está tudo ali prescrito. Ainda assim, muitas pessoas fazem confusão com as medicações ou horários da tomada, esquecem nomes de alguns remédios ou esquecem até mesmo de levá-los. Mais uma vez receita ajudará nesses problemas.

Para a viagem aérea, roupas confortáveis permitirão não só uma sensação de bem-estar como também fisiologicamente ajudarão o seu corpo a exercer suas funções venosas com mais tranquilidade. Eu sempre recomendo o uso de meias elásticas em viagens de qualquer tempo e, dependendo do caso, da paciente e do tempo de viagem, o uso de heparina (medicação injetável que atua na prevenção de fenômenos tromboembólicos). Ainda nesse quesito, opte por comidas leves, não muito temperadas, pouco sal e muita hidratação.

Fique atenta ao clima do local e nas principais doenças tropicais, cada país tem diferentes tipos de surtos ou doenças mais prevalentes. Ainda assim, confira seu calendário vacinal. No ano passado, a Europa teve casos de sarampo, por exemplo. Os Estados Unidos também viveu uma epidemia de gripe A no seu inverno, e a febre amarela não é incomum na África. Repelente e protetor solar são peças-chave na mala, independente do país.

Cuidado com a escolha dos alimentos, dos restaurantes e das bebidas para evitar desconfortos gástricos e intestinais. Lembrando que gastroenterites e hepatite A são transmitidas por alimentos ou bebidas contaminadas.

Para suas roupas íntimas, leve um sabonete neutro para lavá-las e também para usá-lo no banho. Não é incomum os hotéis fornecerem sabonetes cheios de corantes ou fragrâncias dispensáveis para a saúde íntima. Armazene suas roupas íntimas em compartimentos exclusivos na mala, após usá-las, lave-as e deixe-as secar em ambiente fresco, nunca no banheiro ou no box porque assim serão uma ótima moradia para os fungos. O mesmo vale para as meias.

Conhecer lugares novos é muito mais interessante que frequentar farmácias e hospitais não é mesmo? Algumas dessas dicas básicas podem evitar isso!

Leia mais colunas da Dra. Luísa Aguiar

Por que tanta gente opta por largar tudo e viajar o mundo de Kombi?