DIU de cobre: uma opção de contracepção não hormonal

Por Dra. Luísa Aguiar da Silva, da Clínica Urogine

Dentre as poucas opções disponíveis no mercado com a finalidade de contracepção sem ação hormonal está o DIU de cobre. É um dispositivo colocado dentro do útero (intrauterino) composto de cobre ou, em alguns casos, cobre e prata de longa duração – alguns duram 5 anos outros 10 anos – colocado no consultório médico após avaliação do médico ginecologista.
As taxas de falha do método são consideradas extremamente baixas, de menos de 1 por 100 mulheres no primeiro ano de uso. E a maior causa de descontinuação do método são seus efeitos adversos ou o desejo de gravidez.

Entre os efeitos colaterais, o sangramento menstrual aumentado é o mais citado entre as usuárias. O aumento do fluxo e do tempo de duração da menstruação associado a cólicas abdominais são os efeitos que mais levam a mulher a optar por outro método contraceptivo.
O mecanismo de ação principal deve-se à produção de uma reação inflamatória intrauterina que determina alterações no endométrio (a parte mais interna do útero), além de ser espermicida. Sendo assim, a qualidade e a viabilidade dos espermatozoides ficarão comprometidas, impedindo a fecundação – portanto, não é abortivo como falado por aí.

O método não é isento de complicações nem de falhas. Além de uma eventual gravidez, outras complicações incluem a perfuração uterina decorrente da colocação inadequada, a expulsão e uma maior predisposição para infecções vaginais.

Caso a mulher deseje gestar e está usando o DIU, ela apenas deve ir ao seu médico e pedir para removê-lo. A partir do momento que o DIU for removido, a mulher já pode engravidar – lógico, após devidamente orientada quanto à concepção (consulta pré gestacional).

Existem poucas contraindicações ao uso do dispositivo intrauterino não hormonal e mulheres com contraindicações aos métodos hormonais são fortes candidatas a esta opção. Os benefícios são inúmeros. Além da inexistência de hormônio, há a durabilidade do método sem a lembrança diária da tomada, a confiabilidade, a tolerância, o custo benefício.

O DIU de cobre é uma excelente opção para mulheres que desejam contracepção reversível, independente do coito e de longo prazo. É indicação interessante, por exemplo, em lactantes e em mulheres com contraindicação ao uso de estrogênio. Pode, inclusive, ser usado por adolescentes, pós aborto e em mulheres que nunca gestaram.

Os métodos contraceptivos, como o próprio nome diz, são utilizados a fim de evitar uma gravidez indesejada e não tem qualquer proteção na transmissão das doenças sexualmente transmissíveis.

Leia mais:

DIU: dói para colocar? A menstruação acaba? Quanto tempo dura? Tire todas as suas dúvidas

Mulheres adotam métodos contraceptivos não hormonais para fugir dos efeitos das pílulas

“O desafio é oferecer escolha de contracepção”, diz especialista em medicina da mulher

Dra. Luisa Aguiar
Luísa Aguiar da Silva Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela AMB Especialista em Uroginecologia pela Unifesp Professora da disciplina Materno Infantil da Universidade do Sul de Santa Catarina Proprietária junto com a Dra Raquel Aguiar – minha mãe – da Clínica Urogine