Atividade física é fundamental para o tratamento da endometriose

Para as mulheres que usam hormônios para tratar a doença, a prática regular de um exercício é uma aliada no controle do peso

Foto: Divulgação

A endometriose é uma doença crônica que atinge cerca de 10% das mulheres em idade fértil, e infertilidade e dor pélvica crônica estão entre os principais sintomas. A endometriose afeta de forma significativa a qualidade de vida de quem recebe este diagnóstico, e o principal objetivo do tratamento, que pode ser medicamentoso ou cirúrgico, é reduzir a dor ou resgatar a fertilidade.

Os medicamentos usados no combate à endometriose podem conter hormônios e, portanto, podem levar ao aumento do peso e à retenção de líquidos. Uma recomendação para as mulheres diagnosticadas com a doença é a adoção de hábitos de vida saudáveis, entre eles a prática regular de uma atividade física.

Segundo pesquisa realizada pelo cirurgião ginecológico Dr. Edvaldo Cavalcante em parceria com o Grupo de Apoio às Portadoras de Endometriose e Infertilidade (GAPENDI), apenas 31% das 3 mil brasileiras com endometriose que responderam ao questionário praticam algum exercício regularmente.

Exercícios físicos 

De acordo com um estudo publicado no Journal of Physical Therapy Science, um programa de oito semanas de exercícios foi eficaz na redução da dor e na melhora de anormalidades posturais relacionadas às dores pélvicas.

— O que ocorre é que a dor pélvica pode levar a mulher a adotar uma postura mais curvada, levando a uma cifose (corcunda). Portanto, se ela pratica uma atividade física que trabalhe a postura, como o pilates, é esperado que esse aspecto melhore — comenta Marília Gabriela, portadora de endometriose e coordenadora do GAPENDI.

Outro ponto é que atividades físicas ajudam o organismo a produzir dois neurotransmissores, a serotonina e a dopamina, que trazem sensação de bem-estar e ajudam a aliviar a ansiedade – presente em 50% das entrevistadas da pesquisa. A serotonina também ajuda a regular as vias sensoriais ligadas à dor e, pode, portanto, contribuir no seu controle.

É preciso optar por uma atividade que esteja alinhada com o perfil individual. O importante é a regularidade e o prazer envolvido na escolha. O ideal é procurar se exercitar pelo menos 30 minutos por dia ou 60 minutos de 3 a 4 vezes por semana.

Controle do peso

Para as mulheres que usam hormônios para tratar a endometriose, a prática regular de um exercício também é uma aliada importante no controle do peso.

— A alimentação deve ser balanceada, mas é ideal somar à dieta alguma atividade física. Lembrando que esses bons hábitos não servem apenas para o tratamento da endometriose, mas contribuem também para que a mulher previna condições futuras, como as doenças cardiovasculares, muito comuns na menopausa — explica Dr. Edvaldo.

Leia mais:

Endometriose: conheça três mulheres que venceram a doença e se tornaram mães

Mãe depois dos 40: conheça as emoções e os desafios da maternidade tardia

Câncer de mama: mastologista explica sintomas, causas e tratamentos