“Vai ser uma noite muito especial, muito linda”: Anavitória fala sobre show em Floripa

Sócio do Clube NSC tem 20% de desconto no ingresso

Foto: Divulgação

O duo Anavitória apresenta turnê O tempo é agora neste domingo, dia 2, em Florianópolis. O disco foi gravado entre maio e junho de 2018 no East West Recording Studios, em Hollywood, na Califórnia. Segundo Ana Clara, de 24 anos, essa imersão no universo pop internacional e a atuação da banda fizeram total diferença para que o disco chegasse ao som que ela e Vitória, 23, planejaram.

Em 11 faixas inéditas, fica claro o crescimento das meninas como cantoras, compositoras e personalidades artísticas. Elas foram descobertas em 2015, lançaram o disco de estreia no ano seguinte com a produção de Tiago Iorc, e agora apresentam o novo álbum. Nesta entrevista, Ana fala sobre o novo trabalho, o show e o momento da dupla, que já conquistou 2,5 milhões de seguidores Spotify, 1,5 milhão Youtube e 1 milhão no Instagram.

A carreira de vocês é meteórica: começaram cantando juntas no interior do Tocantins e logo conquistaram o Brasil inteiro. A que atribuem este sucesso?

A gente apareceu num momento em que as pessoas estavam abertas pra ouvir o que a gente tinha pra dizer. Então calhou de ser muito bonita a resposta. A gente não sabe explicar direito como aconteceu tudo. A gente foi muito verdadeira desde sempre e isso diz muito.

Crianças, adolescentes, grandes músicos, famosos como Bruna Marquezine aparecem em vídeos cantando as músicas de vocês. É possível delimitar qual é o público de Anavitória?

O público consumidor de música no geral, estatisticamente falando, são mais mulheres de 15 a 24 anos. Você vê mais essa galera em shows, se manifestando nas redes sociais. A gente vê muita criança, muito idoso no show. E isso é a coisa mais linda do mundo, ver como chega pra tanta gente diferente.

Como é o processo de composição das músicas de vocês?

Essa pergunta sempre existe. Desde os meus 15 anos eu escrevo e ainda não entendi meu processo de composição. Toda vez acontece de um jeito. Tem um livro chamado Big Magic e ele fala sobre o mundo das ideias, que elas ficam pairando por aí até achar uma voz pra reverberar isso. Quando a gente está aberto pra receber, ela chega pra gente. E eu acredito muito que seja dessa forma. Só que eu acho que tem tantos outros jeitos também, tem o jeito racional, e mesmo assim funciona.

As canções de vocês são leves, suaves, românticas. Quais são as inspirações?

O último disco não foi tão leve, não. Foi bem sofrido. A inspiração são as coisas que a gente vive mesmo. A gente está numa fase que tudo acontece tão ligeiro. Vem amor, vai amor, você conhece gente. E aí você sente tudo demais, e são essas coisas que eu mais gosto de pôr no papel, toda a intensidade, o exagero, que nossa idade permite.

Além das vozes, vocês também têm um estilo marcante no visual. Roupas, cabelo, acessórios: acreditam que isso tudo também passa uma imagem sobre vocês? E que imagem é essa?

Acho que passa uma imagem, sim, mas não sei exatamente o quê, porque bate em cada pessoa de um jeito. Mas nossa casquinha diz muito, é a primeiro impressão de todo mundo em relação à gente. Buscamos sempre estar o mais confortável por isso, na nossa vida normal, então no trabalho não poderia ser diferente. Ao mesmo tempo a gente queria deixar tudo bonitinho, a nossa cara. Eu não sei que imagem é essa, mas é só a gente sendo verdadeira com quem é, coerente com nossa personalidade.

Vocês também estrelaram um filme recentemente, que aborda relações amorosas fluidas, sem barreiras. Podem falar um pouco sobre isso, sobre a forma que veem as relações?

Parte do princípio de que você é individual e eu sou individual também, e como eu vou me relacionar com outra pessoa só diz respeito a mim. Existem milhões de possibilidades de se relacionar com alguém, e é tudo válido. A gente acredita muito nessa liberdade de escolha e busca isso. O filme fala muito disso.

Vocês se apresentam em Florianópolis. Já conhecem o Estado e músicos daqui?

Não é a primeira vez que a gente vai pra Floripa, mas é a primeira vez que levamos esse show novo. É bem diferente do primeiro, e a gente tá se divertindo demais. Vai ser uma noite muito especial, muito linda. Tem coisas do primeiro disco e a gente vai se amar bem muito.

SERVIÇO

Anavitória em Floripa
2/12, 21h
Quanto: A partir de R$ 87,50. Desconto de 20% para sócio do Clube NSC na compra antecipada no site Ingresso Rápido.
Onde: Centro de Cultura e Eventos da UFSC (Trindade)

Leia também:

Fernando e Sorocaba fazem show em SC e falam sobre parceria com Vitor Kley