Estética paliativa: conheça mais sobre essa técnica

Foto: Divulgação

Você já ouviu falar sobre estética paliativa? Eu também não conhecia, mas conversei com a esteticista Vanessa Menezes Monteiro durante o Estética In Sul, que aconteceu em Florianópolis, e fiquei encantada com essa técnica desenvolvida por ela. Graduada em estética e atuando há mais de 12 anos na área, Vanessa conta que começou fazendo cursos profissionalizantes até conseguir cursar a faculdade.

– Sempre digo que fui escolhida pela estética assim como fui escolhida pelos cuidados paliativos – conta.

Vanessa compartilhou comigo que quando estava procurando um curso para fazer ia se inscrever no de auxiliar de cabeleireiro, mas a dona da escola insistiu para que ela fizesse o de estética.

– Não entendi muito bem a atitude dela, voltei pra casa, conversei com minha mãe, me matriculei e decidi me matricular no curso de estética e logo no primeiro dia me apaixonei perdidamente. A dona da escola na ocasião disse: ‘Eu sabia! Você tem cara disso’ – relembra a esteticista que se especializou em cuidados paliativos no Hospital Israelita Albert Einstein.

Confira o nosso papo:

Como foi que você desenvolveu a técnica?

Desenvolvi a técnica de massagem paliativa, que são movimentos lentos e longos feitos de acordo com a necessidade do paciente naquele momento, associada à massagem dos sentidos. Dentro da minha atuação, fui desenvolvendo diversos protocolos e me envolvendo de cabeça até nascer o Instituto Vitallis que é a primeira clínica de estética com abordagem em cuidados paliativos. Hoje é um suporte para os pacientes conseguirem enfrentar estes tratamentos tão dolorosos.

Qual a importância da estética paliativa?

Os cuidados paliativos são uma assistência promovida por uma equipe multidisciplinar que cuidará dos pacientes e familiares que sofrem de uma doença ameaçadora, seja câncer, HIV, ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica), entre outras. Esse cuidado compreende o aspecto físico, espiritual, psicológico e social – desde o diagnóstico da doença até a terminalidade. E a estética paliativa compõe essa equipe cuidando do paciente dentro das nossas possibilidades. Afinal, ao longo desses tratamentos são enfrentados alguns efeitos colaterais como edemas na pele e dores. E alguns protocolos de bem-estar e papoterapia (uma espécie de rodas de conversa) ajudam a melhorar a autoestima do paciente. Com isso, conseguimos acrescentar vida aos dias dos pacientes, mostramos que existe vida e não sobrevida depois do diagnóstico e isso só é possível, quando focamos exclusivamente no paciente e não na doença.

Quem pode receber a técnica e como ela atua no corpo?

Todos podem receber a terapia, desde que seja por um profissional capacitado. E com ela podemos obter muitos benefícios porque a massagem diminui os escores de tensão, inchaço, ansiedade, náuseas, depressão, insônia, além de manter a pele hidratada e saudável.

 

Leia mais sobre saúde e bem-estar:
Depois do sucesso de aplicativo de envelhecimento, veja dicas para manter a pele jovem por mais tempo
Conheça os principais tratamentos faciais masculinos 
Pressão alta na gravidez significa cuidado redobrado
Lidiane Amaral
Esteticista e empresária. Ao longo dos 15 anos que atua na área da estética e beleza, desenvolveu diversos tratamentos com o objetivo de trazer resultados satisfatórios e que ajudem a melhorar a autoestima da mulher. Com dedicação e trabalho se tornou uma profissional diferenciada e de referência na Grande Florianópolis. Atualmente conta com uma equipe altamente qualificada, que segue os métodos desenvolvidos, e que tem o propósito de proporcionar uma experiência de beleza única, com foco no resultando, respeitando sempre a individualidade de cada cliente.