Com dramas cotidianos, filmes evangélicos conquistam espaço no Brasil

"Eu Só Posso Imaginar", que estreia nesta quinta-feira em SC, é um dos longas que vem na carona de sucessos como "Deus Não Está Morto" e "Quarto de Guerra"

Cena de "Eu Só Posso Imaginar". Foto: Reprodução

Por Nathália Carapeços/Gaúcha ZH

Se Moisés abriu o mar vermelho na Bíblia, a franquia Deus Não Está Morto escancarou as portas do cinema brasileiro para os filmes cristãos contemporâneos. Antes restrito a poucas salas e horários, o filão gospel conquistou lugar cativo no circuito na última década. Eu Só Posso Imaginar, por exemplo, é uma das estreias da semana em Santa Catarina.

Em 2014, Deus Não Está Morto alcançou quase 300 mil espectadores no país, foi muito comentado nas redes sociais e ganhou continuações – Deus Não Está Morto 2 (2016), que chegou a 337 mil de público, e Deus Não Está Morto – Uma Luz na Escuridão, com estreia prevista para agosto. Baseada em uma discussão entre cristãos e ateus, a trama abriu caminho para outros longas, como Quarto de Guerra (2015), que consolidou o público fiel do gênero ao chegar a meio milhão de espetadores.

– A qualidade da produção americana melhorou muito na última década. O público no Brasil respondeu positivamente com boas bilheterias. Antes de Deus Não Está Morto, que foi sucesso mundial, é importante destacar o bom desempenho de Três Histórias, um Destino (2012), que já tinha ido muito bem – destaca Ygor Siqueira, fundador da 360 Way Up, empresa que atua em diferentes frentes do ramo audiovisual cristão e prestou consultoria para Eu Só Posso Imaginar.

Claro que filmes com temáticas bíblicas ou de cunho religioso são produzidos desde o século passado e há outros marcos na área, como A Paixão de Cristo (2004), de Mel Gibson, que lançou também Até o Último Homem, indicado ao Oscar do ano passado. A diferença do atual momento seriam as produções lançadas em sequência e o deslocamento da temática bíblica para um enredo de dramas cotidianos.

– No Brasil, há um crescimento no número de cristãos pentecostais, e as pessoas buscam conteúdos que condizem com sua crença. Isso ajudou o mercado local – explica Reinaldo Mendes, diretor da Graça Filmes, empresa brasileira especializada em produções cristãs e ligada a Igreja Internacional da Graça de Deus. – Há a ideia de trazer um público amplo para o cinema, por isso a abertura dos roteiros, com situações do cotidiano. Tudo isso junto da lógica comercial, de gerar renda. É importante para o mercado – opina.

Mas produções sem personagens bíblicos trazem prós e contras. Noé, por exemplo, filme de 2014 estrelado por Russell Crowe, foi alvo de críticas por apresentar uma trama que não se prende a detalhes do livro cristão, como explica Siqueira:

– Temas bíblicos ajudam pois já são conhecidos, mas podem gerar muita polêmica. Tem que ser bem estruturado, é muito mais complexo. O importante é ter temas relevantes e, no Brasil, temos faltas de roteiristas capacitados para falar com esse público.

Embora Os Dez Mandamentos, longa ligado à Igreja Universal, seja o filme mais visto da história do cinema brasileiro pelo menos até o ano passado (a marca já teria sido ultrapassada, segundo o site Filme B, por Nada a Perder, cinebiografia do bispo Edir Macedo), as polêmicas com salas vazias e ingressos esgotados não credenciam o cinema evangélico a entrar para o hall de grandes sucessos. Metanoia (2015), com Caio Blat no elenco, é uma das poucas produções daqui que se insere nessa perspectiva de cinema cristão contemporâneo, assim como A Palavra, filme com Tuca Andrada e Oscar Magrini que deve estrear em outubro. Mas há mais produções locais ainda em fase inicial. A 360 Way Up está com três projetos no horizonte, sendo um ambientado no Nordeste, um sobre dramas familiares e uma cinebiografia – ainda não há data de estreia. Já a Graça Filmes projeta lançar alguma história bíblica no ano que vem.

“Eu Só Posso Imaginar” aborda reconciliação entre pai e filho

A música I Can Only Imagine, lançada há quase duas décadas pela banda americana MercyMe, tornou-se um dos hinos da música cristã contemporânea. Composta por Bart Millard, a canção ganhou destaque nas paradas americanas, tocou incessantemente em rádios seculares e conquistou fãs ao redor do mundo. Por trás do sucesso da letra, há um drama familiar que agora chega aos cinemas brasileiros. Dennis Quaid e o estreante J. Michael Finley vivem pai e filho no filme Eu Só Posso Imaginar, inspirado na vida do vocalista que decide se jogar na música para esquecer a violência em casa.

Em 1985, a vida do garoto Bart Millard não é nada fácil. No interior do Texas, o menino precisa conviver com Arthur (Dennis Quaid), um pai extremamente agressivo. Apesar da relação conturbada com a família, o menino cresce, tem amigos, é apaixonado pela namorada e ainda frequenta a igreja batista local. Sua paixão pela música segue como um hobby e, por acaso, seu talento para cantar é descoberto em sala de aula.

J. Michael Finley em cena. Foto: Reprodução

O sonho de formar uma banda de sucesso leva Millard a abandonar o pai e a namorada no interior. No fim dos anos 1990, o jovem segue para Oklahoma, conhece novos amigos, forma uma banda de rock cristã e roda os Estados Unidos fazendo shows de pequeno porte. Quando o grupo acha que está pronto para conquistar as gravadoras, recebe uma negativa dos principais empresários do ramo. A decepção faz com que Millard volte para casa para acertar as contas com o pai.

O ponto alto da história são as cenas de reconciliação entre pai e filho. Enfrentando um câncer, Arthur tenta encontrar respostas na religião e é ajudado por Millard, que tem dificuldade de perdoar um homem que lhe fez tanto mal. A morte do pai inspira Millard a escrever I Can Only Imagine, música que se torna o grande sucesso da MercyMe.

Leia mais:

“Nada a Perder” entra na lista dos 100 piores filmes da história

Benedict Cumberbatch diz que não vai atuar em produções que pagam menos para mulheres

Jane Fonda, aos 80 anos, diz que não faz mais sexo