“Nossa missão é semear questionamentos”: leia a entrevista com a banda Francisco, El Hombre

Eles se apresentam gratuitamente neste domingo em Florianópolis

Foto: Divulgação

A banda Francisco, el Hombre, formada pelos irmãos mexicanos Sebastián e Mateo Piracés-Ugarte, e pelos brasileiros Juliana Strassacapa, Andrei Kozyreff e Rafael Gomes, se apresenta gratuitamente neste domingo, dia 20, a partir das 16h, em Florianópolis. O show será no lançamento do Square Lab, primeiro coworking a céu aberto do Brasil.

Em seus shows, a banda brasileira coloca o público de língua portuguesa para cantar em espanhol e as pessoas de idioma latino para entoar as canções em português. Para eles, não há fronteira que não possa ser cruzada.

Formado há quatro anos, o grupo que tem no nome referências latinas — Francisco El Hombre é o nome de um personagem de Gabriel García Márquez — traz em seus sons muita brasilidade e temas que estão em voga atualmente no campo progressista. Em entrevista à Versar, a vocalista da banda, Juliana Strassacapa, falou sobre reconhecimento e o momento político no Brasil, tema que inspira a criação de músicas como “Bolso Nada”.

— Dissonâncias sempre existirão e isso não é um problema, o problema é quando os indivíduos não conseguem aprender com esse desafio, com as diferenças. Sempre resistiremos porque fazemos o que amamos e somos felizes. Quem for capaz de mudar, amar e se somar será sempre bem-vindo. Não há tempo de escudos se levantarem porque a música não atua por um caminho muito racional, toca nas emoções, algo que nem sempre é estimulado e despertado.

“Música é um instrumento de comunicação ultrapotente. Antes que se perceba, ela te captura, te conecta e reverbera nos corpos e consciências” – Juliana Strassacapa

Mesmo com temas polêmicos, o grupo conquistou uma base engajada de fãs, principalmente no mundo virtual. Prova disso é o clipe da faixa Triste, louca ou má, que contabiliza mais de 12 milhões de views no YouTube. A mesma música foi indicada ao Grammy Latino na categoria Melhor Canção em Língua Portuguesa. Na letra, a cantora expressa sua inquietação diante dos enquadramentos sociais aos quais as mulheres estão submetidas.

— Nossa missão é buscar semear questionamentos, reflexões e transformações, retirar o véu dos olhos dos humanos para que possamos evoluir como indivíduos e sociedade. Falamos sobre o nosso tempo, o presente, porque é onde necessitamos atuar de forma consciente para colher bons frutos futuros e nossa mensagem é de cura – afirma Juliana.

A banda já passou por Santa Catarina em outras oportunidades. Segundo a vocalista, o público de Florianópolis é muito receptível, tanto que é a cidade onde Francisco, El Hombre tocou mais vezes. Para o show do próximo dia 20, Juliana Strassacapa deixa o convite:

— Esperamos que seja tão bom pras pessoas que estiverem ali quanto será para nós. Nosso show se torna cada dia mais um ritual de celebração, primeiramente pela conexão de nós cinco que se estende para o público. Quero dizer que estaremos nos divertindo muito e quem se conectar aposto que também desfrutará. Vai ser lindo.

Leia também:

Além-bordas: arquitetos, designers e artistas se unem em diversas frentes de trabalho

“Aquele imbecil que está lá”: Faustão se pronuncia sobre desabafo no “Domingão”