Um dilema: o ganho de peso na gestação

Foto: Jonas Ramos/Especial/Agência RBS

Um dos grandes medos e talvez um grande desejo das mulheres grávidas está na manutenção do peso. A sabedoria popular diz que as grávidas devem comer por dois e devem ter todos os seus desejos atendidos e muitos são os agrados oferecidos as mulheres nessa fase.

Em contrapartida, a literatura científica traz constantemente artigos sobre o ganho excessivo de peso na gravidez e todas as suas implicações corroborando com a epidemia mundial de obesidade.

Mas, existe ganho de peso ideal? Existe sim e ele é extremamente individualizado e deve ser devidamente orientado por profissional habilitado ainda no começo do pré-natal e acompanhando até o pós-parto. Cada mulher terá uma dieta específica, individual e adaptada as necessidades gravídicas daquela fase da gestação. Alguns nutrientes merecem destaque, ácido fólico, ômega 3, vitamina D, ferro, proteínas, por exemplo, são fundamentais na dieta das mamães. Falar apenas sobre o peso na balança é muito pouco e simplista demais. O mais importante é o estado nutricional da mulher conferindo suplementação adequada dos nutrientes fundamentais, dieta balanceada e saudável e, de quebra, ganho de peso ideal.

Uma dica legal é ter um nutricionista especialista em saúde materno infantil para saber orientar as principais necessidades e mudanças dessa fase da vida da mulher. Não se faz dieta da moda e nem restritiva, salvo exceções específicas.

A gestação engloba uma série de pequenos e contínuos ajustes do organismo, que afetam o metabolismo de todos os nutrientes. Estes ajustes são individuais e dependem de inúmeros fatores como o estado nutricional pré-gestacional, fatores genéticos, estilo de vida da mulher, atividade física, evolução da gestação e doenças associadas – a dieta de uma mãe diabética será muito diferente de uma mãe hipertensa, por exemplo. E, essa dieta, suplementação e orientações serão renovadas a cada trimestre.

A maioria dos estudos brasileiros observa ou excesso de peso na gestante ou desnutrição materna. Tanto um quanto o outro terão muitas implicações para a mamãe e o bebê dentre elas: pressão alta, diabetes gestacional, bebês macrossômicos (excesso de peso do recém-nascido) ou restritos com ganho de peso insuficiente, limitações das atividades diárias, dificuldade de sono, anemia, varizes, alterações do líquido amniótico parto costuma ser mais complicado, prematuridade, maior taxa de internações em unidade de terapia intensiva (UTI) e até morte fetal.

Para as grávidas, o controle do peso durante e após a gravidez é fundamental para uma gestação saudável e para as mulheres que desejam gestar, estarem devidamente preparadas, orientadas, no peso ideal e bem suplementadas irá garantir, igualmente, o sucesso no quesito ganho de peso e saúde da sua futura gestação.

Dra. Luisa Aguiar
Luísa Aguiar da Silva Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela AMB Especialista em Uroginecologia pela Unifesp Professora da disciplina Materno Infantil da Universidade do Sul de Santa Catarina Proprietária junto com a Dra Raquel Aguiar – minha mãe – da Clínica Urogine