Francisquinha desponta como nova gatinha rabugenta da internet

francisquinha
Foto: Instagram/Reprodução

*Sílvia Haidar

Uma gatinha pretinha, com cara de brava, está cada dia mais famosa nas redes sociais. Francisquinha tem três anos, mora em Perdizes, na zona oeste de São Paulo, e sempre é comparada à Grumpy Cat, felina que ficou mundialmente conhecida como “gata rabugenta” e morreu no último dia 14.

Natália Salles, a tutora de Francisquinha, conta que o veterinário da bichana acha que ela tem nanismo, assim como Grumpy Cat.

— Nós nunca fizemos um teste genético para ter certeza, mas todas as características dela indicam que sim — diz Natália.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Francisquinha mal humorada (@francisquinha_mal_humorada) em

Francisquinha é menor do que a maioria dos gatos, tem malformação no crânio e braquidactilia (dedos mais curtinhos).

— Por causa da braquidactilia, as unhas dela ficam sempre para fora, não são retráteis. E ela tem um dedinho a menos em cada patinha traseira — revela a tutora.

No entanto, Francisquinha tem uma boa saúde e não precisa de cuidados especiais. Sobre o humor da gatinha, Natália diz que ela já foi mais rabugenta.

— Ela não gostava muito de carinho e só eu podia pôr as mãos nela. Ela não deixava nem meu filho e nem meu marido chegarem muito perto dela.

Mas Natália diz que a felina está cada vez mais carinhosa. A bichana foi adotada em 2016, quando tinha apenas quatro meses. A tutora diz que, na época, enfrentava uma depressão e a gata ajudou a curá-la.

— Eu estava tomando remédio e fazendo terapia. E a Francisquinha, mesmo com o jeito meio agressivo dela, sempre foi muito companheira — lembra Natália.

— Era uma fase em que eu não estava trabalhando, só ficava em casa. Meu filho ia para a escola, meu marido ia trabalhar, e eu ficava sozinha — diz.

Mas com a chegada de Francisquinha, as coisas mudaram.

— Eu me sentia mais amada, porque por mais que ela não gostasse muito de carinho, ela demonstrava que gostava de mim ficando por perto, dormindo comigo, o jeitinho que ela me olhava, com um olhar de gratidão por eu ter ficado com ela.

Antes de levar a gatinha para casa, Natália tentou adotar outro gato, mas não deu certo. Ela tinha feito um curso de costura recentemente e fez um gatinho de tecido igual a ele.
As pessoas viram nas redes sociais e ela começou a criar bichinhos por encomenda pela página Imagine seu Pet. Hoje ela faz gatos, cachorros e até papagaio.

Ela já fez uma réplica de pano e também uma tatuagem com as feições de Francisquinha.

— As pessoas olham para ela e veem a carinha de brava, mas eu olho e só consigo enxergar a carinha mais bonitinha do mundo. Ela é uma segunda filha para mim”, derrete-se a mamãe coruja.

Leia também:

FOTOS: conheça o cachorro cego que tem um inseparável “cão-guia” e companheiro de aventureiro

Nos Estados Unidos, veterinário “opera” gato de pelúcia de menina autista

Moradora cria “condomínio de gatos” com vigilância 24 horas em frente a prédio