Grupo Cultural Tarrafa Elétrica lança álbum produzido de forma colaborativa

“Cardume" é um projeto colaborativo realizado pela Lei de Incentivo à Cultura de Itajaí

Foto: Lenon Cesar/Divulgação

Na quinta-feira, 20 de junho, a banda Tarrafa Elétrica lançou oficialmente o álbum “Cardume” nas principais plataformas digitais. O álbum foi todo gravado nos Estúdios Café Maestro e realizado por meio da Lei de Incentivo à Cultura de Itajaí, com recursos investidos pela APM Terminals.

“Cardume” conta com oito faixas, todas elaboradas de forma colaborativa com os fãs da banda, que deixaram seu “plá” no grupo criado no Facebook especialmente para o projeto.

— Foi um projeto muito desafiador, pois não encontramos nenhum artista que já tivesse trabalhado dessa forma para ter como base. A resposta do público foi ótima e serviu como incentivo para a banda, mostrando que estamos seguindo no caminho certo — relata o vocalista e compositor da banda Evandro Che.

Todo o processo de criação e gravação das músicas foi documentado em vídeos postados nas redes sociais da banda, contando com uma grande participação de seus seguidores.

— A interação com ferramentas digitais e a criação de conteúdo online é fundamental para a divulgação do artista. A partir do momento que você conta com essa colaboração do público, o resultado é muito prazeroso, pois os fãs criam uma afinidade muito maior com a banda — comenta Che. 

Perpetuando a ideologia da banda de explorar os ritmos e estilos musicais característicos do estado de Santa Catarina, além da colaboração do público, “Cardume” contou com participações muito especiais, como do Grupo de Percussão de Itajaí (GPI), do ex-integrante e um dos fundadores da banda Cassiano Bazana, Marcelo Orates (Casa de Orates), do músico Marcus de Oliveira Costa – o Marquinhus da Lagoa e do acordeonista Rafael Petry. A identidade visual do projeto também foi feita de maneira colaborativa com a ilustração da Humberto Soares, da Pequeninus Grupo de Arte, e com o design gráfico de Marina Kotelak.

Das oito faixas lançadas, sete foram produzidas pelo renomado músico e produtor itajaiense Ozeias Rodrigues, que trabalhou pela primeira vez com o Tarrafa Elétrica.

— Produzir o álbum Cardume foi uma tarefa prazeirosa, porém desafiadora. Por ser uma banda com uma sonoridade muito definida eu tinha que acrescentar novos elementos e uma nova textura ao som do grupo porém sem tirar a essência. O processo de criação foi feito de forma muito democrática e intuitiva. O meu objetivo foi compreender o resultado final que o grupo tinha com as músicas e, por fim, registrar essas composições de uma forma que todos nós nos sentíssemos dentro desse Cardume — ressalta Ozeias.

Rodrigo Gudin Paiva, doutor em música pela Unicamp, professor e coordenador do Grupo de Percussão de Itajaí (GPI), também atacou de produtor na faixa Nova Ericeira, gravada em conjunto com o GPI e com os vocais de Rívia Mickaelly. Tarrafa e GPI dividiram o palco do Teatro Municipal de Itajaí em 2016 durante a circulação de seus show o que gerou uma afinidade sonora quase que instantânea.

— O Che nos convidou para participar do projeto e me mandou a letra e melodia. Eu levei para o ensaio do GPI e desenvolvemos a instrumentação, o ritmo e a conversão. Usamos uma rítmica que chamo de “boi catumbi”, que mistura elementos do boi-de-mamão, da viola e do catumbi, que são ritmos catarinenses, e demos a cara do GPI, com uma instrumentação mais pesada ao estilo escola de samba. Adicionamos também o arranjo de três berimbaus à música, o qual foi escrito pelo Binho Toledo. Coloquei também um solo de de cuíca início da música especialmente para o percussionista Marcos Renato, que é integrante tanto do Tarrafa quanto do GPI — comenta Paiva.

 

Leia também:

Espetáculo “Reverb – Poesia e Música” circula por Santa Catarina neste mês de junho

Projeto “XV com Arte” leva música para o Centro de Florianópolis

Paulo Gustavo volta para SC, em junho, para apresentar musical com a mãe