Incompetência istmocervical: você sabe o que significa?

Foto: Chris Greene/Freeimages

O tema dessa semana é complexo e difícil mas, foi bastante sugerido pelos leitores: incompetência istmocervical. Você sabe o que significa?

Se não sabe irei tentar te explicar. É o nome da patologia que descreve a incapacidade do colo uterino de preservar uma gestação, mesmo sem sinais de trabalho de parto, ou seja, sem contrações normalmente no segundo trimestre ou começo do terceiro trimestre.

Acomete 1% das gestações, acarretando em prematuridade em até 95% dos recém-nascidos. Devido a alta taxa de morbimortalidade fetal, o seu diagnóstico e tratamento se faz extremamente necessário.

Leia também: Mulheres que amamentam podem doar para banco de leite humano

O diagnóstico infelizmente se faz por perdas fetais prévias e pode ser pensado nas pacientes com história prévia de cirurgia no colo do útero. A ultrassonografia transvaginal é o método mais utilizado no diagnóstico dessa patologia durante a gestação. Porém, os valores foram atribuídos entre as 20-24 semanas, dificultando o melhor tratamento disponível para a gestação vigente: a cerclagem.

O tratamento padrão é a cerclagem apesar de novas opções, como os pessários, estarem disponíveis e terem bons resultados. Trata-se de um reforço do colo do útero por sutura (passagem de um ponto), atraumática e inabsorvível, na altura do orifício interno do colo do útero, realizada preferencialmente entre 12 e 16 semanas de gestação.

Como todo procedimento cirúrgico, a cerclagem não está isenta de riscos e complicações. A rotura das membranas amnióticas pode ocorrer durante o procedimento e isso será mais prevalente quanto maior a idade gestacional da pequena cirurgia.

De uma maneira geral, a gestação requer repouso, cuidados diferenciados, preparo para o nascimento prematuro e uso de medicações específicas e é sempre considerada uma gestação de alto risco.

A importância de um bom pré-natal, uma história clínica de qualidade e a realização do procedimento por profissional habilitado, ou a colocação do pessário por médico experiente, é fundamental para o sucesso das gestações de mulheres com incompetência istmo cervical.

Dra. Luisa Aguiar
Luísa Aguiar da Silva Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela AMB Especialista em Uroginecologia pela Unifesp Professora da disciplina Materno Infantil da Universidade do Sul de Santa Catarina Proprietária junto com a Dra Raquel Aguiar – minha mãe – da Clínica Urogine