Sandro Clemes: Cartografias urbanas

Grupo Karma  – Foto Divulgação

A cidade está inundada de subjetividades que se amalgamam em espaços públicos e contam histórias desses lugares, compondo narrativas da vida contemporânea. Esses vestígios humanos orientam, de algum modo, o nosso entendimento e o uso que fazemos dos espaços urbanos. Estar na cidade é sempre um ato político – seja a caminho do trabalho, fazendo arte ou catando lixo.

Dessa constatação, tantas questões se apresentam… Por que há tantos em situação de rua?
O que tenho eu a ver com o novo edifício neoclássico da Beira-mar? Como toca em mim a elegância primitiva dos tambores femininos do Cores de Aidê quando passam por mim? Quantas impregnações do meu desejo deixo ao longo dos caminhos urbanos que descrevo? A arte pode nos conduzir a algumas respostas e suscitará outras perguntas.

Ficcional-real

O arquiteto e artista visual de origem belga-brasileira Antoine Guerreiro do Divino Amor cria cartografias lúdico-críticas de cidades brasileiras. Em SuperRio – Superficções, ele desenvolve uma narrativa mítica para descrever o embate de forças sociais, econômicas e políticas antagônicas, inscrevendo suas ações num mapa fantástico e pungente. Na criação do momento (foto), a ficção cartográfica de São Paulo, projeto contemplado pelo concurso 2017 de residências artísticas da FAAP. Uma bela referência de observação e análise de fenômenos urbanos. Saiba mais clicando aqui.

Reprodução

A mulher na rua

Em Itajaí, o grupo Karma e o diretor teatral Renato Turnes apresentam a performance Cartografia do Assédio, que narra e prospecta histórias de assédio vividas por mulheres ao longo da Rua Hercílio Luz, no Centro da cidade, investigando a presença do corpo feminino num percurso público onde prevalece a lógica machista. Veja mais aqui.

Foto Desdobraduras, Divulgação

Legendas vívidas

Em Somos Parte da Paisagem, projeto que já passou por várias cidades, Camila Petersen coleta memórias de situações vivenciadas por anônimos em vias públicas e as expõe em cartazes descritivos. Surpresa, dor, alegria, começo, fim, tudo está ali, num mapa afetivo que se sobrepõe à geografia da rua. Saiba mais clicando aqui. 

Foto Fabio Yokomizo, divulgação

Leia mais:
Upcycling: a arte de reiventar objetos e móveis
5 dicas para evitar a oxidação dos metais em casa
Painel em homenagem a Franklin Cascaes desperta um novo sentido de urbanidade e de pertencimento aos que vivem o Centro de Florianópolis

Sandro Clemes
Designer de formação, Sandro será o radar na área de decoração, arquitetura e design trazendo os principais acontecimentos – com destaque para dicas de décor – que estão ocorrendo em SC, no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário