Sandro Clemes: só a arte salva

Reprodução de um fragmento da obra Olímpia: grafite, aquarela e nanquim com bico de pena, por Carina Santos. Foto: Carina Santos, Reprodução

Exercitar a subjetividade nunca será desimportante. Exercitar a alteridade  nunca pareceu tão primordial quanto no tempo presente, quando vozes abafadas irrompem o burburinho amorfo e reivindicam seu lugar de sujeitos. Por meio da arte temos a possibilidade de nos ver através de outras lentes sensíveis, de refletir sobre quem somos e sobre o que nos cerca, de nos colocar em outras peles, experimentando, ainda que por breves instantes, outras dores e prazeres. Seja na literatura, no teatro, no cinema, na musica, nas artes visuais, na arquitetura – a arte  te tira de um lugar seguro e apresenta um imensurável universo simbólico, te provoca, te ensina, te faz crescer. A arte salva.

Arte em casa

Muitas pessoas ainda pensam que o acesso às artes visuais é privilégio dos endinheirados e desconhecem a possibilidade real de adquirir uma obra artística a um preço justo. Artistas atuantes no mercado de arte disponibilizam, além de peças únicas, obras em série, como ilustrações, fotografias, gravuras e prints de variadas técnicas, a valores justos. E são profissionais talentosos e comprometidos com seu ofício.

Serpente II: acrílica e nanquim sobre papel, de Lesepierre. Foto: Lesepierre, Divulgação

Em lugar dos quadros meramente decorativos reproduzidos aos milhares, sem qualquer nota de pessoalidade, prefira obras assinadas, que tragam em si camadas densas de beleza essencial, ou seja, de elaboração estética,  de expressividade, de fantasia, de estranheza, de inquietação, de amor.

Onde encontrar

Uma excelente forma de conhecer criadores de artes visuais é visitando feiras, mercados e eventos itinerantes dedicados à economia criativa. Neles, pode-se conhecera  obra e o artista, entender suas inspirações e trajetória.

Sem Título: técnica mista, de Pati Peccin, que integra acervo da Faferia – DNA de Ate, no Centro da Capital. Foto: Pati Peccin, Reprodução

Em Florianópolis acontecem várias iniciativas dessa natureza ao longo do ano, como Flamboiã, Parque Gráfico, Nomad Mercado e FAF – Feira de Arte de Florianópolis. Acompanhe-os nas redes sociais e confira suas agendas.

Agende-se

O quê: Parque Gráfico Feira de Arte Impressa – Pocket Edition #1
Quando: 7/2, 14h às 20h
Onde: Centro de Artes (Ceart) da Udesc (Av. Madre Benvenuta, 1.907, Itacorubi, Florianópolis)
Quanto: gratuita

Leia outras colunas de Sandro Clemes

Conheça a história por trás do conceito kitsch

Veja três exemplos de decoração baseadas na intuição sensível