Sandro Clemes: o vestir de luz no design e na arquitetura

luz
Louis Poulsen, Divulgação

A luz exerce um fascínio ancestral sobre o gênero humano. Desde a luz do sol e da lua, do fogo, dos vaga-lumes na mata, até a luz elétrica, das telas de cinema e TV… O lume das coisas acesas desvenda segredos, cria ilusões, acalma, cega, encanta. Iluminar é esculpir o ar. É aplicar sobre os corpos uma camada brilhante que interpreta suas texturas, volumes e cores. Usar a luz implica em lidar com o claro e o escuro, em produzir claridade e sombra, em revelar e ocultar. A criação da lâmpada elétrica comercial por Thomas Edison, em 1879, transformou o modo como vemos a vida. E, se com mais luz enxergamos melhor o mundo físico, também com ela criamos mais sonhos.

Com luz, não basta iluminar…

Não é feitiçaria: luminárias transmitem sinal de banda larga de internet através da luz. Phillips, Divulgação

Tem que transmitir internet através da luz! Sim, essa tecnologia existe, chama-se Li-Fi e usa ondas luminosas para propagar sinal de banda larga e transmitir dados entre dispositivos. Ela foi desenvolvida pela Phillips Lighting e encontra-se em fase de testes na França. Segundo o fabricante, a velocidade de transmissão pode chegar a 30Mb/s e promete ser mais estável que o Wi-Fi, que usa frequências de rádio. A companhia disponibiliza duas luminárias com a tecnologia: a Philips PowerBalance gen2 e a Philips LuxSpace, indicadas para uso corporativo e hospitalar, respectivamente. As lâmpadas são equipadas com um modem que modula a luz de LED com intensidade e frequências muito altas, mas imperceptíveis ao olho humano. Para que haja a transmissão a lâmpada deve estar acesa, e o sinal não ultrapassa as paredes do ambiente, o que garante a segurança do processo.

Espiral do tempo: a Rondella, criada nos primeiros anos do movimento Art Déco, faz crer que o bom desenho é mesmo atemporal. designisfine, Divulgação

A luminária da foto não é um lançamento da última Euroluce, feira italiana referencial no mercado mundial de lighting design. A Rondella foi criada em 1927 pelo designer alemão Christian Dell para a empresa Schwintzer & Gräff. Em metal cromado, possui hastes ajustáveis, cúpula direcionável e incorpora o cabo elétrico como atributo estético. Não parece um exemplar atual de luminária no chamado “estilo industrial”? Ela é um ícone das luminárias de mesa modernas, e prova que o design essencial atravessa o tempo ileso.

Leia mais:

Sandro Clemes: a palavra de ordem hoje é produzir em coletivo

Sandro Clemes: só a arte salva

Veja cinco dicas de como decorar as paredes com arte