Já ouviu falar em ciclo circadiano?

Os horários em que nos alimentamos podem interferir no nosso metabolismo

sono
Foto: Pexels

Estudos recentes sugerem que a alimentação realizada em horários inadequados é capaz de interromper a organização do nosso sistema circadiano e, portanto, contribui para disfunções metabólicas que podem aumentar o risco de obesidade e de doenças crônicas como diabetes, hipercolesterolemia, dentre outras. O ciclo circadiano é programado para funcionar de acordo com o ritmo da Terra, 12 horas de exposição à luz, com diminuição gradativa até chegar à escuridão pelo restante de horas. O grande problema é que, atualmente, nos expomos à luz durante muito mais que as 12 horas (é luz do celular, da TV, tablet, etc). Tudo isso, faz com que o nosso cérebro interprete que ainda não está “de noite”, levando a uma redução do hormônio melatonina, responsável pelos sinais de sono. Não é a toa que vemos tanta gente com insônia.

O problema não fica só na insônia, já que quando nos expomos à luz durante a noite, por exemplo, pode haver uma interferência no nosso metabolismo, predispondo ao aumento nos níveis de triglicerídeos e de resistência a insulina, principalmente quando esse fator está aliado a uma dieta desequilibrada. Outros estudos relacionam a má qualidade do sono como um dos responsáveis pelo aumento no consumo alimentar e na redução de saciedade, levando a um maior risco de obesidade.

A alimentação também pode ser um dos fatores que contribuem para o bom (ou mau) funcionamento do ciclo circadiano. Assim como o sono, o corpo está programado para se alimentar mais durante o dia do que durante a noite. Ao estar acordado até mais tarde (quando já deveríamos estar dormindo), o corpo vai desregulando os sinais de fome, em função do ciclo circadiano já estar alterado. Isso levará também a alterações nos horários, qualidade e quantidade da alimentação, desregulando ainda mais todo o processo de sono, e consequentemente, o nosso metabolismo e a nossa saúde.

Alguns estudos sugerem que em relação a alimentação e manutenção de um estado nutricional adequado, seria recomendável realizar as refeições em um período de 12 horas, mantendo o corpo em jejum durante as 12 horas seguintes (por exemplo, se alimentar entre às 7 e 19 horas e ficar sem se alimentar de 19 às 7 horas). A maior parte desses estudos foi realizada em animais, e ainda são poucos o em humanos, por isso, ainda é preciso ter cautela com estas recomendações e levar sempre em consideração as orientações individualizadas do seu nutricionista.

Por isso, comece a prestar atenção nas horas de sono, na qualidade do seu sono e nos horários das suas refeições! Sua saúde agradece!

Leia mais:

Setembro amarelo: alimentos que ajudam nos quadros de depressão

O meu filho só come o que quer, e agora?

Meu filho fez dois anos, mas agora ele já pode comer tudo?