O que é o K-Pop e por que faz tanto sucesso?

Entenda melhor essa febre que tem movimentado multidões mundo afora

Show do boy group coreano BLACK6IX em Porto Alegre. Fotos: Isadora Neumann / Agencia RBS

Graças à popularização dos mangás e dos animes, a cultura japonesa virou febre no Brasil no início dos anos 2000, reunindo os chamados otakus (traduzida literalmente como “nerd”, a palavra é utilizada para identificar os aficionados por tudo que vem do Japão) em eventos como o Anime Friends.  Uma década depois, foi a vez de a Coreia deixar sua marca no Ocidente com o K-Pop, a nova febre entre os adolescentes brasileiros.

– Eu entrei em contato com o K-Pop através da música japonesa, de que eu já gostava por causa da minha família. Aí eu comecei a ir atrás e ver muitos clipes e me apaixonei principalmente pelo visual deles – recorda Caroline Akioka, descendente de japoneses e diretora da Revista KoreaIN, dedicada à cultura coreana.

A música chiclete, a superprodução dos videoclipes, as sempre presentes coreografias e até os looks dos integrantes de grupos como BTS Girls’ Generation fizeram com que o termo fosse muito além da música, tornando-se um estilo de vida para pessoas que, além do apreço pela cultura, não possuem ligação alguma com o país asiático.

– Tem gente de tudo que é tipo e todo mundo se une. Seja em hashtag no Twitter, em movimentos, até nos shows, todo mundo se ajuda. E essa afetividade eu acho incrível! Eu, pelo menos, nunca vi algo parecido em nenhum outro tipo de fandom como eu vejo no K-Pop – defende Maria Eduarda Buchholz Silveira, de 18 anos, que também foi introduzida ao gênero pelo que ela chama de “febre dos animes”. – Foi um combo!

Participando de seu segundo fanmeeting (encontro de fãs) de K-Pop em Porto Alegre na noite desta terça-feira (18), Maria Eduarda acredita que o contato próximo com os ídolos nos meet & greets e nos fansigns (sessões de autógrafos) tornam a experiência ainda melhor.

– Nossa, é impressionante, assim, tu chamar ele, gritar pelo nome do teu favorito, ele te olhar e tu poder gravar, tirar fotos! Eles são muito queridos! Eles gostam dessa afetividade, isso é fantástico!

No camarim do Teatro CIEE, na capital gaúcha, minutos antes do show, os integrantes do BLACK6IX não souberam dizer o que fez com que o grupo conquistasse tantos admiradores – que, muitas vezes, sequer entendem as letras de suas músicas – em um país de cultura tão diferente da deles como o Brasil.

– Acho que os fãs gostam de nós como um grupo, então de repente alguma característica da nossa música tocou os fãs para nos darem tanto amor e carinho – arriscou Ziki, 23 anos, um dos rappers do grupo.

Eduardo Monteiro Krebs, 39 anos, nunca tinha ouvido falar nos meninos, mas levou as duas filhas para conhecê-los.

– Eu vi eles pelo YouTube, imaginei que fosse um Backstreet Boys coreano – compara.

Um tanto quanto traumatizados depois de uma fã invadir o quarto de hotel em que estavam hospedados em Goiânia para entregar uma carta, Taeyong, Yongseok , Jongwoon, Ziki, Yey e The King passaram frio ao desembarcar em Porto Alegre, mas elogiaram o cheiro da cidade. Com pouco tempo na Capital, conseguiram provar o churrasco do NB Steak – aprovadíssimo – e não ficaram imunes ao charme de um dos nossos símbolos, embora este não tenha sido avistado do Gasômetro, como recomendado aos turistas.

– O primeiro pôr-do-sol que vimos aqui (da janela do hotel) foi maravilhoso! – destacou Ziki, o mais desinibido.

Leia mais:

Anitta será jurada do The Voice México ao lado de Maluma

No “Dia do Emoji”, Google divulga os símbolos mais usados no Brasil

5ª Expo Tattoo Floripa vai receber mais de 500 tatuadores