Bromélia, costela de adão e rosa com tons improváveis e surpreendentes

Designer floral Laertes Wassuarik se especializou na técnica de pintar plantas naturais

Foto Tiago Ghizoni/Diário Catarinense

A reação das pessoas ao olhar os arranjos de Laertes Wassuarik é quase sempre a mesma: achar que são plantas artificiais. Aos 28 anos, o designer floral que é natural de São Paulo, mas mora em Balneário Camboriú, foi pioneiro no Estado em utilizar a técnica de pintar plantas naturais. Com a ajuda de um spray, ele colore bromélias, costelas de adão e até rosas, que ganham tons improváveis e surpreendentes. Autodidata, Laertes conta que a paixão pelas plantas é herança da avó, com quem morou até os 18 anos num sítio no interior de São Paulo. Hoje ele se orgulha de ver o trabalho exposto em vitrines elegantes e decorando grandes eventos.

Divulgação

De onde veio sua inspiração para colorir as plantas?
Eu acompanhava o trabalho de um artista de São Paulo pelas redes sociais, que foi destaque inclusive na revista Vogue, aí resolvi fazer meu primeiro arranjo com folhas pintadas. Além das plantas, faço arranjos com buquês para eventos, todos com as folhas pintadas. Eu uso normalmente tons sem brilho, que dão um acabamento melhor, mas você pode escolher a cor que quiser.

Como é feita essa pintura?
É feita com um spray, que tem ótimo acabamento apesar de não ser específico para plantas, mas a cobertura fica perfeita.

Isso não prejudica a planta?
Não deixa de ser uma química, mas o tempo de durabilidade da planta é o mesmo. No caso de uma bromélia como essa, por exemplo, ela vai continuar crescendo, já testei em outras plantas, e vai ter o mesmo desenvolvimento. As plantas de corte normalmente duram até duas semanas.

Qualquer planta pode ser pintada?
Nem todas, algumas não suportam a tinta, aquelas mais delicadas, porque ficam pesadas, algumas duram só um dia, não tem a mesma durabilidade que uma bromélia ou costela de adão.

Foto Tiago Ghizoni/Diário Catarinense

Qual a reação das pessoas ao se deparar com uma planta pintada?
Todo mundo acha que é artificial, que eu pinto as plantas artificiais, mas eu só pinto as naturais.

De onde surgiu sua paixão pelas plantas?
Eu nasci no interior de São Paulo, numa cidade bem pequena que tinha só umas 20 casinhas. Lá morava com minha avó e sempre aprendi a lidar com as plantas. Quando me mudei de cidade meu primeiro emprego foi numa empresa de decoração e paisagismo, daí me apaixonei de vez. Observava a confecção dos arranjos e mais tarde comecei a fazer por conta própria. A vivência no sítio facilitou meu trabalho, pois eu já tinha contato com as plantas e um carinho especial por elas.

Divulgação

Assista ao vídeo com a entrevista:

Leia também:

É preciso estimular a criatividade em casa, no trabalho e nas escolas

Catarinense reforça campanha no Dia de Conscientização do Autismo

Provei e aprovei: aplicativo entrega em minutos tudo o que você precisa!