Lesões mais frequentes na primeira infância: fique atento e evite riscos

Foto: Jessé Giotti/BD

Quando uma criança nasce é normal que a expectativa dos pais sobre cada fase que está por vir aconteça. Em cada período, uma nova descoberta por parte da criança e na primeira infância isso pode acabar acompanhado de diversas lesões.

Especialista quando o assunto é ortopedia pediátrica, o Dr. Bruno Massa explica o porquê disto ocorrer.

— Quando falamos desta faixa de idade, estamos abordando um tempo em que a criança deseja experimentar tudo que vê, sem ter muita noção do perigo ao qual está se expondo — O médico ainda listou algumas das principais lesões que envolvem o público infantil nesta faixa etária. Confira abaixo:

Dedos das mãos – É muito comum recebermos crianças com dedinhos fraturados, sendo essa, a lesão mais frequentes nesta faixa etária. As causas desses traumas variam, podendo ser em razão de acidentes na porta do carro ou de casa, em gavetas e outros. Nem sempre o cuidado e atenção redobrada dos pais e/ou responsáveis são suficientes para evitar os acidentes. Apesar disso, algumas medidas simples servem como dicas na prevenção desses traumas. Quando o cenário envolve um automóvel, é preciso ter atenção máxima em relação às portas, seja ao fechá-la ou guardar objetos no porta-malas. Já dentro de casa, indica-se o uso das proteções antichoque para evitar que rajadas de vento repentinas possam fechar as portas bruscamente e ferir a criança, além das gavetas que também são consideradas vilãs dos dedos. Em ambientes não costumeiros, observe quinas, objetos de decoração deixados em cima de mesas e estantes, no alcance das crianças que podem puxar e se machucar.

Cotovelos – Pela consciência corporal e o equilíbrio ainda em desenvolvimento, as crianças tendem a sofrer mais quedas, principalmente quando estão em terrenos instáveis. Quando a criança cai, ela acaba usando o braço de apoio e o contato com o chão faz com que lesões ao longo dos braços, em especial na região do cotovelo aconteçam com mais frequência.

Torção no tornozelo – Uma outra área muito atingida pelos traumas ortopédicos na infância é o tornozelo. É comum que as crianças tenham hábito de correr e brinquem dessa forma, o que, aliado ao pouco equilíbrio e consciência do corpo, faz com que as quedas ocorram com mais frequência. Uma corrida em solo instável, como grama, ou ainda um momento de distração podem ser suficientes para que o pé vire e gere a torção naquela região. Outro momento de lazer que pode acabar virando um pesadelo com trauma causado envolve a cama elástica. Além do solo instável, típico do brinquedo, o uso dela por muitas crianças de forma simultânea pode gerar o choque entre os presentes no local e, por consequência, a ocorrência de torções na região.

Por fim, o Dr. Bruno Massa destaca que o mais importante não é privar a criança do momento de diversão e sim estar sempre atento a qualquer tipo de problema.

— Além da supervisão à criança, que deve existir independente da situação, é essencial sempre observar alguma mudança de comportamento por parte dela. Em geral, caso tenha alguma dor, seja nos pés, mãos ou em outra região do corpo, a criança poderá alterar seus hábitos, como aumentar o número de vezes em que pede colo, ou ainda não desejar andar e brincar como de costume.

Leia também:

A interferência do uso de telas durante a alimentação das crianças

Não conheço crianças perfeitas e também não conheço pais perfeitos

Ortopedista explica a importância de escolher atividades adequadas para as crianças