Libido? O que é isso mesmo?

Não importa a idade nem o momento, a queixa de diminuição da libido configura uma das principais do consultório ginecológico

Foto: Divulgação

Na roda de conversas femininas ou no consultório, vejo mulheres jovens, recém namorando, casadas há um mês, com relacionamento estável, apaixonadas, em casamentos daqueles para ninguém botar defeito. Não importa a idade nem o momento, a queixa de diminuição da libido configura uma das principais do consultório ginecológico e ainda é cheia de perguntas sem respostas.

Atualmente, a medicina sexual vem ganhando grandes avanços, mostrando o quanto a satisfação sexual feminina é fundamental para a qualidade de vida da mulher e de suas relações afetivas.

De fato, a resposta sexual feminina é bastante complexa e não totalmente compreendida. Sabe –se que disfunção sexual é a incapacidade do indivíduo de participar do relacionamento sexual com satisfação, sendo o distúrbio do desejo sexual hipoativo a mais prevalente disfunção.

A sexualidade da mulher é multifatorial e multissistêmica, requerendo integridade anatômica, hormonal, vascular, nervosa e influenciada por fatores psicológicos, socioculturais, familiares e biológicos. Ainda assim, não se sabe exatamente como esses fatores se relacionam e nem mesmo como se estabelecem nas fases de vida da mulher como gravidez, lactação, puerpério, climatério e menopausa. Sim, faltarão respostas nessa coluna.

O que se sabe é que o distúrbio do desejo sexual hipoativo, popularmente conhecido como diminuição da libido, se caracteriza por diminuição ou ausência dos sentimentos de interesse, pensamentos ou fantasia sexual e/ou a receptividade à atividade sexual para tornar- se sexualmente excitada é escassa ou inexistente. Isso causa angústia pessoal e consequente má qualidade no relacionamento conjugal e pessoal, baixa autoestima e uma qualidade de vida deficiente.

Apesar de ser um pedido frequente, os exames hormonais podem ajudar muito pouco a solucionar a imensidão desta queixa e, na maioria das vezes, uma equipe interdisciplinar se faz necessária: ginecologista, psiquiatra, urologista, psicólogo, fisioterapeuta. Normalmente, esse é o sucesso do tratamento.

Estudos recentes sugerem uma vasta participação hormonal na função sexual, incluindo não só os hormônios sexuais como o estrogênio, a progesterona e a testosterona, mas também a dopamina, noradrenalina, melanocortinas, ocitocina, serotonina, entre outros.
Os exames laboratoriais não são eficazes ao dosar todos esses hormônios e têm uma resposta muito aquém na própria dosagem de testosterona.

Apesar de bastante famosa nas mídias sociais, a reposição de testosterona sem critério é completamente proscrita pelas sociedades médicas pelos graves efeitos adversos e deve ser feita em pacientes selecionadas, bem acompanhadas e com cautela.

Algumas medicações, como os contraceptivos orais, podem diminuir a testosterona funcionante e, ainda assim, não resultarem em queixa de diminuição da libido.
De fato, a resposta sexual feminina não é linear e nem sempre o desejo sexual espontâneo, já que depende de uma série de estímulos emocionais, sexuais, hormonais e de satisfação consigo e com a relação.

Leia também:

Quer inovar no sexo? Veja ideias de posições para fazer diferente

Dor na relação sexual? Saiba como a fisioterapia pode ajudar

Leia mais colunas de Luísa Aguiar