Limão com água quente não cura o câncer

Seria ótimo houvesse uma cura rápida e fácil para o câncer, mas isso não existe

Diariamente, somos bombardeados nas redes sociais por dicas e soluções milagrosas a respeito da saúde – seja uma dieta para perder peso rápido ou aquelas receitas caseiras que vão solucionar antigos problemas. Mas uma mensagem que tem circulado nas redes sociais afirma que água quente e limão podem te salvar do câncer. Será que é verdade ou boato?

A mensagem compartilhada tem vários sinais que indicam que ela não é verdadeira – como o pedido excessivo para que ela seja compartilhada, por exemplo. Mas o principal é que a fonte citada no texto, Tchen Horin, suposto diretor-geral do hospital do exército de Pequim, provavelmente sequer existe. Se você pesquisar pelo nome dele, não encontrará evidência alguma de que ele é real. Não há citações em estudos ou sites da área médica.

O limão, de fato, beneficia a saúde e é rico em vitamina C – que ajuda a melhorar a imunidade e é aliada contra gripes e resfriados. Apesar disso, a fruta não tem o poder de matar células cancerígenas.

Existem mais de cem tipos diferentes de câncer, o que torna extremamente difícil (ou até impossível) que algum alimento possa ser eficiente contra todos eles. Segundo o oncologista clínico Carlos Eugênio Escovar, o limão não traz benefício algum em relação ao câncer:

– Não existe nenhum estudo científico que comprove essa teoria sobre o limão. Claro que alimentação saudável e hidratação são importantes para o corpo e ajudam a prevenir diversas doenças. Mas, para tratar ou prevenir o câncer, o limão não serve.

Outras informações falsas

De acordo com André Fay, chefe do serviço de oncologia do Hospital São Lucas da PUCRS, o trecho da mensagem em que se diz que tomates, quando cozidos, liberam licopeno (um carotenoide que pode agir contra o câncer), tem um fundo de verdade. Apesar de o tomate não precisar ser cozido para liberar a substância, ela está presente no fruto e pode conter propriedades que agem no combate ao câncer, mas somente o de próstata.

– Há estudos iniciais que indicam que o licopeno pode diminuir a incidência do câncer de próstata. Mas são pesquisas ainda muito básicas e não podem ser usadas para comprovar a teoria. Ainda assim, essa ideia tem mais fundamento do que a da água com limão – afirma o oncologista.

Há, ainda, outro trecho da mensagem que contém um equívoco, em que se diz que no limão há ácido “monoalcólico”, que serviria para regular a pressão alta e proteger as artérias. A verdade é que o ácido contido no limão se chama monoalquílico e não tem propriedade contra os problemas citados.

– Gostaria que houvesse uma cura rápida e fácil para o câncer, mas isso não existe – lamenta Fay.

É importante ficar sempre atento à saúde e não acreditar em informações que são compartilhadas na internet sem antes consultar um médico confiável. Nenhum tratamento convencional, que tenha sido devidamente recomendado por um especialista, deve ser interrompido.