Looks fluidos em tons pastel para um dia de outono

Vestido: Le Iris. Foto Dari luz, divulgação

Estamos no momento de decodificar tudo o que foi mostrado e desfilado nas últimas semanas de moda, descobrir o que foi comprado pelas principais multimarcas e mostrado nos feeds do Instagram mais importantes no mundo fashion.

Preste atenção no que você, realmente, vai querer ter, nos looks que poderá garimpar, nos truques de estilo e nas novas marcas que você precisa conhecer e que são daqui mesmo de Santa Catarina.

Paleta madura e sofisticada

Casaco Strass Acessórios e roupas e cinto Dior. Foto Dari Luz, especial

Uma das maiores tendências que vi nos desfiles de moda internacionais, indiscutivelmente, foi o tema dominante da mulher real; um retorno bem-vindo à feminilidade e de querer vestir-se, sentindo-se confiante e confortável. E a tendência incorpora tudo, desde os comprimentos de saias mais longas, às roupas em formas fluidas, silhuetas simples e discretas com cores igualmente suaves em tons pastel, como azul, nude, bege e rosa.

Trocando em miúdos estamos olhando para um espectro de tons claros que, em termos de moda, é uma das tendências mais chiques que uma mulher pode usar.

Junto ao estilo, chegam os babados e os enfeites elegantes da alta-costura dos anos 1950. A feminilidade está desde as bailarinas apresentadas na coleção de Maria Grazia Chiuri para Dior, às passarelas cheias de tons candy, suficientemente, adequados para fazer você se sentir uma criança em uma loja de doces.

Tons claros

Vestido: Le iris. Foto Dari Luz, especial

Visto em 2018, permanece em 2019 o uso de cores em tons pastel. Estão nos sites de moda, vitrines, desfiles e na decoração de interiores. Mas o que exatamente define este tom? Uma cor pastel é qualquer uma que tenha apenas o suficiente do branco, misturado a ela para parecer pálido e macio, mantendo uma personalidade

colorida, entendeu? As cores pálidas mais comuns que estamos vendo este ano são rosa suave, azul claro, menta cremosa e o amarelo da coleção da Chanel na primavera européia de 2019 .

Quanto ao bege, dominou as passarelas da coleção de estreia de Riccardo Tisci para a Burberry em 2018, bem como nas passarelas da Chloé e da Chanel. Sua ascensão marca uma mudança mais ampla em direção ao “luxo adulto” e ao investimento discreto, gosto muito.

Radar fashion

Casaco/ vestido Emanoela Mardula, bota Chanel . Foto Dari Luz, especial

“Há uma certa poesia na convergência de fenômenos físicos, geográficos, culturais e sociológicos e que envolvem o efêmero, o fluído”, revela a designer de moda Emanoela Mardula, quando descreveu a coleção Guá, em 2017, como trabalho de conclusão do curso de moda da Udesc.

As criações mostraram uma narrativa, onde a poética da liquidez foi a inspiração para desenvolver peças autorais. Silhuetas sóbrias foram palco para um enredo visual de recortes e texturas que assumiram o papel de traduzir os sutis e disformes contornos. Emanoela propôs diálogos entre elementos e materiais da alfaiataria, recortes, sobreposições e texturas. Onde, a fluidez encontrou no design de superfície,uma narrativa delicada, efêmera e abstrata: “Bordados, tingimentos e aplicações são elementos indiciários, que revelam as minúcias de um universo líquido, da personalidade sensível que se abriga nestas silhuetas e carregam em si, a pretensão de traduzir – de forma abstrata, a poética da liquidez”, revela também a designer.

Mix & Match

Vestido: Le Iris. Foto Dari Luz, especial

A marca Le Iris Home nasceu embalada pela paixão das empresárias catarinenses Letícia Nomura e Patrícia Iris. As irmãs têm um olhar de quem ama receber, florir a casa e montar uma boa mesa para reunir a família e amigos, além de produzir vestidos

fluidos e românticos . Através do perfil Le Iris Home no Instagram, Paty e Lê fazem um mix & match de tudo que as encanta, compartilhando dicas e imagens do seu dia a dia, viagens e curadoria no mundo do home décor, moda e arte.

Nova marca catarinense

Vestido Flow Concept, bota Chanel e colar acervo. Nota. Foto Dari Luz, especial

Inspiradas nas viagens das melhores amigas Paola de Lucca e Carol Lobato, com as mãos de fada de Bernadette de Lucca na modelagem, lançarão a grife Flow Concept, dias10 e 11 de maio , no Coletivo de Marcas The House Market ,que ocorrerá no Novotel, na capital.

A Flow foi criada para mulheres, de 25 a 60 anos, cosmopolitas que amam viajar em férias e de momentos especiais. O estilo chique e sem esforço da marca, com sede em Florianópolis, é perfeito para almoços ensolarados e soirées românticas em um refúgio litorâneo.

“Dominamos a arte do resort wear, aliando exclusividade e silhuetas super femininas com tecidos fluidos, para que todas se sintam bem” revela Carol. No DNA da marca consta paletas de cores e estampas neutras, mangas mais dramáticas, detalhes que refletem um lifestyle de liberdade, com a pele beijada pelo sol, celebrando a magia de uma fuga de verão

A primeira coleção cápsula conta com 20 modelos entre blusas, saias e vestidos. Cada modelo terá no máximo três peças, garantindo a exclusividade, totalizando 60 peças.

Glam catarinense

Vestido: Safhari Glam, colar acervo e botas Chanel. Foto Dari LUz, especial

A estilista Fabricia Amorim é natural de Brasília mas se mudou para Floripa em 2008 para realizar o curso de design de moda na Universidade do Sul de

Santa Catarina, (Unisul). Trabalhou no processo de criação em uma empresa de moda por quase dois anos, mas sempre teve o sonho de desenvolver uma marca própria. Em 2013 criou a Safhari com roupas casuais e este ano a marca ampliou seus horizontes e lançou a Safhari Glam, uma linha focada em vestidos de festas, madrinhas e noivas. O vestido usado neste editorial é uma das peças da nova linha, que estreou com o pé direito no cenário da moda.

“A Safhari anda na direção do amor, da dedicação e da empatia. Cada peça é criada pensando em cada pessoa que irá vestir o look: para o casamento tão esperado da melhor amiga, para quem vai levar a blusa que amou para uma viagem inesquecível ou quem comprou uma saia e, com ela, garantiu muitos elogios no almoço de domingo”, comenta Fabricia.

“A marca acredita na energia que emana das coisas e das pessoas e é por isso que valoriza cada processo de produção, depositando os melhores sentimentos possíveis em suas peças”, finaliza.

Vamos falar dos trench coats?

Vestido: Safhari Glam, trench coats Burberry, colar acervo e botas Chanel. Foto DAri LUz, especial

Tudo indica que o modelo foi usado por soldados nas trincheiras lamacentas da Primeira Guerra Mundial, dando à roupa seu nome (trentch= trincheira em inglês). Evoluiu dos casacos impermeáveis criados pelo químico e inventor escocês Charles Macintosh e pelo inventor britânico Thomas Hancock (fundador da indústria britânica da borracha) no início da década de 1820. Aqueles que o usaram durante a guerra eram principalmente oficiais e superiores que compravam o modelo como parte de seu uniforme – um marcador de distinção social e classe, mesmo no exército.

A roupa impermeável foi feita de algodão emborrachado e era o look do momento do homem bem trajado, cujos dias se resumiam em montar, atirar, pescar, às atividades ao ar livre e serviço militar. Como a tecnologia evoluiu, o revestimento de borracha tornou-se mais respirável, menos quente e melhor em repelir a água. Em 1853, o alfaiate de um cavalheiro de Mayfair, bairro de Londres, desenvolveu uma capa de chuva melhorada, sob o comando de sua empresa Aquascutum.

Thomas Burberry, um jovem de Hampshire, seguiu o exemplo em 1856 com a fundação de sua companhia homônima. Assim, tanto a Aquascutum quanto a Burberry merecem crédito por terem “inventado” o trench coat da Primeira Guerra Mundial, mas a verdade é que as duas empresas ajudaram a popularizar um tipo de casaco já existente. Hoje, o modelo já foi revisitado por designers como Martin Margiela e Jean-Paul Gaultier e ainda é um clássico duradouro para a Burberry .

Está chovendo

Vestido: Maria Filó. Foto Dari Luz, especial

O outono começou oficialmente, então é hora de se armar contra a chuva e se dedicar a um par de botas de borracha super fashion. Kate Moss, Sarah Jessica Parker e Alessandra Ambrosio amam o modelo consagrado e assinado pela marca escocesa Hunter. O acessório se tornou obrigatório para os frequentadores do festival de música Coachella. Conforto, qualidade irrepreensível e um estilo único é o que conta! As Hunters foram criadas em 1856 na Escócia, sendo o mais antigo fabricante de botas de borracha no Reino Unido e o fornecedor oficial da família real.

As botas de chuva tornaram-se peças de moda real. São usadas na cidade ou no campo, com ou sem chuva, porque combinam com qualquer estilo, vai arriscar?

Mais sobre a produção

Participaram deste editorial

  • Produção executiva, produção, styling, pesquisa de moda: Lise Crippa
  • Modelo: Laura Gamarra – DN Models
  • Fotos e tratamento de fotos: Dari Luz
  • Produção de cena: Larissa Maldaner
  • Beleza: Larissa Maldaner
  • Local: Santo Antônio de Lisboa
  • Marcas e lojas participantes: Burberry, Chanel, Dior, Emanoela Mardula, Flow Concept, Le Iris Home, Safhari Brand, Strass Acessórios e Roupas, Maria Filó.

 

Mais de Lise Crippa
Moda 2019: o novo humor das roupas esportivas e o luxo discreto da alfaiataria
Animal print é a tendência do outono/inverno 2019
O minimalismo está de volta à moda nesta temporada