Marcos Piangers: Nossos filhos? Que sejam felizes!

“E o que você faria se seu filho fosse homossexual?”, nos perguntam. “E o que você faria se descobrisse que ele está fumando?”. Os mais machistas sempre perguntam “e quando aparecerem os primeiros namorados das suas filhas?”. Os mais pragmáticos se preocupam com a carreira profissional: “E se decidirem fazer filosofia? E se quiserem ser sociólogos?”. Ao que os pais, os mais tranquilos e bem resolvidos, para todas essas perguntas, costumam responder: “Quero apenas que elas sejam felizes”.

Pensei muito a respeito do que quero para as minhas filhas e acredito que desejar apenas que sejam felizes não é satisfatório. Fico bem calmo com relação às escolhas que elas farão da vida. Faço o meu melhor em apontar os caminhos mais fáceis da vida, que estudem, escolham profissões promissoras, andem com pessoas que fazem o bem e não se deixem influenciar pela opinião dos outros. Sei que irão tomar algumas decisões ousadas, decisões que me deixarão inseguro. E nesses momentos repetirei o mantra: “quero apenas que sejam felizes”.

Mas no fundo quero mais que isso. Me parece uma declaração egoísta. Me parece injusto que elas sejam felizes enquanto outras pessoas não forem, ao redor delas. “Quero apenas que meus filhos sejam felizes” me soa um pouco vil e autocentrado. Não quero que sejam apenas felizes, mas que tornem outras pessoas felizes. Quero que tenham forças para lutar pela sua própria felicidade mas, acima de tudo, pela felicidade de outras pessoas. Que pensem nos outros.

Ficarei realmente orgulhoso quando forem luz para os outros. Que sejam claridade altruísta, que possam curar com palavras, que seus atos sejam nobres. Me emociona imaginar como poderão ser bondosas. Que entendam que ser gentil é melhor do que estar certo. Que entendam que ser educado é melhor do que ser sincero. Que falar o que pensa muitas vezes é só agressividade. Que todo mundo está lutando suas próprias batalhas e nossa única obrigação é ajudar os outros, sempre que possível. Que só existe uma regra: você tem que ser gentil.

E desejo que, fazendo isso, sejam felizes.

Outras colunas do Piangers:

E-mail para mim mesmo
Nem tudo é uma tragédia