Marcos Piangers: costumo chorar no palco e acho isso pouco profissional

Piangers
Piangers

Estou aqui para promover a gravação do meu especial sobre paternidade, que poderá ou não passar em algum desses serviços de streaming que vocês conhecem (na verdade, garanto que você pensou apenas em um serviço de streaming, aquele com logotipo vermelho, já que todos os outros estão muito atrás em termos de usabilidade e conteúdo, não é?). Enfim, espero que meu especial seja veiculado nesse serviço de streaming que você pensou.

Vamos gravar três apresentações no Teatro Carlos Gomes, em Blumenau, neste sábado e domingo, dias 17 e 18 de março. Enquanto você está lendo isso, eu devo estar no calor de Blumenau, correndo para um lado e para o outro, ouvindo ordens agressivas do diretor de gravação, que irá colocar câmeras por todos os lados e luzes ameaçadoras no
meu rosto.

Quando você assistir um especial gravado de qualquer pessoa, deve levar em conta o nervosismo, as luzes no rosto, a maquiagem obrigatória e o diretor que diz para você fazer exatamente o que ele quer que você faça. E ele ainda dirá para parecer natural.

Acho que vai rolar choradeira. Tem rolado choradeira em todas as palestras. Quando falamos sobre família, estamos falando sobre nossos sentimentos mais íntimos. Nossas marcas emocionais vieram da nossa infância, de como nossos pais nos trataram, da presença e da falta que fizeram. Costumo chorar no palco e acho isso pouco profissional. Vou me esforçar para ser mais profissional e agradar o diretor de imagens dessa vez. Se me emocionar, fingirei que não
passa de um cisco no olho. Colocarei a culpa na luz, que arde meus olhos.

Gravaremos as histórias de mães e filhos, de lembranças e tristezas, de alegrias e superação, de pais de coração, de famílias adotivas e não convencionais, gravaremos aprendizados sobre paternidade e as histórias de outros pais que estiverem no teatro. Faremos todos juntos um álbum de família coletivo. Uma fotografia do nosso tempo, quando acreditávamos que o mundo poderia ser um lugar melhor, se nos dedicássemos a isso.

Alguém dirá, provavelmente, que estávamos sendo ingênuos. Tenho certeza que, quem estiver lá participando do momento, achará especial.

Leia também:

Marcos Piangers: escrever com o coração sempre me deixou amedrontado

Marcos Piangers: não assisti a nenhum dos indicados a melhor filme no Oscar em 2018, afinal tenho filhos