Seja homem! “Masculinidade tóxica”, a influência negativa que gera efeitos na saúde físcia e mental

Foto divulgação

Por Lucca Koch – especial

Em novembro de 2018, o importante dicionário de Oxford elegeu como uma das palavras do ano um terno nada animador: “tóxico” e a “masculinidade”. O termo foi selecionado devido seu potencial duradouro e significância cultural.

Mas o que é a masculinidade tóxica?

São características que a sociedade vem atribuindo de maneira estereotipada ao sexo masculino, sendo extremamente nocivas e restritivas aos próprios homens ou às pessoas ao seu redor.

Essas pressões acabam gerando uma série de comportamentos, como a não demonstração de sentimentos, o medo a vulnerabilidade, ansiedade, competição agressiva são alguns exemplos de comportamentos que os homens acabam sendo sujeitados ao longo da sua educação.

A masculinidade baseada no medo, que busca se provar “macho” a todo momento – estimulando violência, fechamento emocional, homofobia e obsessão com dinheiro, sexo e poder – é tóxica. Atitudes negativas como essas estão gerando uma sociedade extremamente violenta, além de deixar os homens emocionalmente restritos, sufocados, que estão adoecendo e morrendo muito mais cedo.

Entre as frases mais ditas pelos pais podemos citar: “Isso é coisa de menininha”, “esse aí vai dar trabalho, vai ser pegador”, “menina tem que ajudar a mãe a cuidar da casa” e muitas outras que já estão enraizadas na nossa cultura. Uma das principais consequências, muitos meninos acabam crescem achando normal objetificar mulheres e muitas meninas crescem achando normal serem objetificadas.

Segundo pesquisa realizada pela Associação Norte Americana de Psicologia estima que 80% dos homens americanos estão com dificuldades para identificar e expressar seus próprios sentimentos. No Brasil os estudos também são alarmantes, pois 75% dos homens brasileiros entre 25 a 44 anos nunca ouviram falar em “masculinidade tóxica”, segundo pesquisa realizada pela Google BrandLab.

Mesmo não havendo ainda muito interesse da população, diferentemente de países como Canadá, Austrália e Reino Unido, vem sendo criados grupos de discussão sobre masculinidade para deixar o machismo para trás. O principal objetivo é realizar uma mudança de mentalidade e mostrar que homem pode sim expressar sentimentos, além de quebrar conceitos tradicionalistas, como “isso é de menino e de menina” e a própria a ideia do “homem machão”.

Esse comportamento também influencia as mulheres

O reforço da cultura machista está também associado as próprias mulheres, que acabam levando esse preconceito adiante. Porém uma grande parcela da sociedade vem combatendo a desigualdade de gênero.

Homens em reconstrução 

Estamos começando a viver uma transição, pois aos poucos os homens estão se distanciando da figura do “bad boy”, mesmo que ainda 57% dos homens ainda se sentem pressionados a se comportar de acordo com noções pré-concebidas do que é ser homem. Prova dessa desconstrução é a publicidade apresentando um novo retrato da vulnerabilidade, o que ajuda a difundir estereótipos pré-estabelecidos e citados anteriormente.

Em outrora as marcas associaram-se a figurado do homem machão, mas esse discurso vem sendo quebrado aos poucos e assim gerado estímulos positivos, como a aceitação do próprio corpo e até mostrando pais mais presentes, sendo protagonistas dos cuidados domésticos e dos filhos.

Como podemos confrontar esses padrões? 

Homem pode chorar. Homem deve expressar seus sentimentos. Somos todos homens vulneráveis e corajosos para assumir nossa verdade e viver nossa verdade. Vamos questionar paradigmas e quebrar correntes repressivas e pré-concebidas. Nada disso vai afetar a nossa masculinidade!

Para assistir em casa

Se você ficou interessado no assunto, minha dica é assistir ao documentário The Mask You Live In (“A Máscara em que Você Vive”), disponível no NETFLIX, que aborda como a ideia do macho dominante afeta psicologicamente crianças, jovens e, no futuro, adultos nos Estados Unidos.

Leia mais:
Homem conta sua experiência com anticoncepcional masculino
Os benefícios da cerveja na saúde do homem
Não tenha filhos se você não tem tempo, se tem muitas contas para pagar, se precisa ir na academia